Cerca de 40 professores do agrupamento de escolas de Marinhais participaram numa acção de formação da Quercus sobre a redução dos consumos de água e energia em ambientes escolares e residências particulares.

Durante esta iniciativa, Filipa Alves, da associação ambientalista, apresentou resultados de vários estudos que comprovam que, com gestos simples, é possível poupar água e energia nas escolas, nas empresas e em casa, com ganhos ambientais e poupança de recursos financeiros.

Por exemplo, a simples substituição dos autoclismos por equipamentos com controlo do volume da descarga ou a colocação de redutores de caudal nas torneiras podem representar uma poupança de centenas de euros numa escola, no final de cada mês.

A nível da energia, a opção por lâmpadas florescentes de baixo consumo e a escolha e equipamentos com baixo consumo de energia permitem recuperar o investimento realizado num curto espaço de tempo. Desligar todos os equipamentos em vez de os deixar em stand-by “é fácil e ajuda a poupar muita energia”, salientou a técnica, que integra a equipa do projecto “Escolas Amigas do Ambiente”.

Esta acção, realizada no passado dia 21 de Dezembro, foi promovida pelo sector de educação da Câmara Municipal de Salvaterra de Magos, em parceria com a Águas do Ribatejo e a QUERCUS, inserida no projecto de responsabilidade ambiental em curso na empresa intermunicipal que gere os sistemas de abastecimento de água e saneamento básico em sete concelhos do distrito.

Segundo uma nota de imprensa da Águas do Ribatejo, nos últimos dois anos, a empresa acções com mais de 5.000 pessoas, a maioria estudantes de vários níveis de ensino. “Os resultados são visíveis com uma redução significativa dos consumos de água nas escolas, equipamentos públicos e também nas residências”, lê-se no documento.