O homem que assassinou à facada um amigo na sequência de uma discussão sobre futebol num café em Marinhais, concelho de Salvaterra de Magos, foi condenado a 12 anos de prisão efetiva, por um crime de homicídio simples.

{creativeslider id="2"}
Na leitura do acórdão, que decorreu na tarde desta terça-feira, 8 de outubro, o coletivo de juízes do Tribunal de Santarém criticou a postura adotada em julgamento pelo homicida, Vitorino Neves, de 54 anos, que “manifestou sempre total indiferença em relação ao sofrimento que causou à vítima”.
A vítima, João Calado, foi primeiro esfaqueado com uma navalha, e depois pontapeado na cabeça a 7 de outubro de 2018, na sequência de uma discussão no exterior do café “Toinito” durante um jogo de futebol entre o Benfica e o Porto.
Apesar da condenação, o acórdão salientou que “não foi possível apurar em concreto o motivo do crime”, mas que este será “irrisório e desproporcional face à gravidade dos acontecimentos que se seguiram”.
O coletivo de juízes não considerou credível a versão que o arguido relatou dos factos, ao tentar demonstrar que agiu apenas em legítima defesa, e considerou ainda como agravante da pena o facto de Vitorino Neves ter dado dois pontapés na cabeça de João Calado quando este já estava caído no chão a pedir ajuda, à porta do café.
Além dos 12 anos de prisão, o homicida foi ainda condenado a pagar uma indemnização cível de 85 mil euros e vai ter acompanhamento psicológico durante o cumprimento da pena, “para interiorizar a gravidade dos seus atos”, segundo explicou a juiz presidente na leitura do acórdão.

Notícias relacionadas:

Homicida arrependido diz que agiu em legítima defesa

Discussão fútil leva a homicídio sem razão aparente