PUB

chamusca covid continua

PUB

banner cms juntos

Cerca de 40 profissionais de saúde da nova Unidade de Cuidados Intensivos (UCI) que se formou no Hospital de Santarém para responder à COVID-19 estão indignados com o facto de terem que pagar as refeições tomadas em contexto de trabalho.

Slide thumbnail

“Sempre nos disseram que as refeições eram oferecidas, pois não nos poderíamos deslocar para fora da unidade para comer, nem tão pouco levar comida de casa”, explicou à Rede Regional um dos elementos desta nova UCI, que pede reserva de identidade.
No início de Maio, surgiu então a conta, apresentada pela empresa externa que fornece as refeições no Hospital de Santarém, e que, segundo os queixosos, é elevada, não descrimina em concreto as refeições tomadas por cada profissional de saúde, e cobra pequenos almoços, lanches e ceias que nem sequer foram pedidos.
Entre os vários médicos, enfermeiros e auxiliares, há quem tenho valores a rondar os 200 euros para pagar, desde o início do funcionamento da UCI, que abriu em meados de março nas instalações do bloco operatório provisório.
“Não está em causa o pagamento, está em causa o facto de nos terem garantido que as refeições seriam oferecidas, e agora tentarem cobrá-las desta forma”, explica o mesmo elemento da UCI, acrescentando que “a qualidade também deixa muito a desejar”.

Conselho de Administração não vai assumir despesa
Contatado pela Rede Regional, o Conselho de Administração (CA) do hospital informa que não vai assumir o pagamento desta despesa porque só teve conhecimento do fornecimento da alimentação “quando a respetiva fatura apareceu para validar e pagar, no dia 3 de Maio”.
“Em nenhum momento anterior, foi solicitado que as refeições fossem fornecidas a título gracioso”, explica a presidente do CA, Ana Infante, para quem a assunção do pagamento não seria “justa e equitativa” para os restantes profissionais de outros serviços, como a Urgência ou o Internamento Covid, que sempre pagaram as suas refeições.
Uma vez que todos os funcionários receberam o respetivo subsídio de alimentação, os profissionais da linha da frente desta nova UCI seriam “beneficiados em relação aos restantes”, considera ainda o CA, esclarecendo que a “entrega no local de trabalho, para evitar o desfardamento e a deslocação ao refeitório, não implica que a refeição não tenha de ser paga”.

 



banner fiqueemcasa

 

PUB

PUB

PUB

PUB

Scalhidraulica

PUB

PUB

promo almeirim

Quem está Online?

Temos 676 visitantes e 0 membros em linha