A Comissão de Saúde da Assembleia Municipal de Tomar vai depositar uma coroa de flores junto à placa do Hospital Distrital de Tomar, em sinal de luto pelo estado a que chegou a saúde no Médio Tejo, na quinta-feira, 1 de Março, precisamente na data em que várias cerimónias promovidas pela Câmara assinalam o dia da cidade.

Esta iniciativa “pretende ser um sinal veemente de protesto contra o plano de reorganização do Centro Hospitalar do Médio Tejo, e pelo anunciado encerramento da urgência médico cirúrgica neste dia”, explicam os promotores da manifestação, que convidaram todos os trabalhadores do hospital de Tomar e a população a participar numa marcha de pesar entre a Praceta Mário Nunes e a unidade hospitalar, a partir das 12h15.

De acordo com o programa oficial das comemorações do dia de Tomar, está prevista para as 12 horas a cerimónia oficial de homenagem ao ex-comandante da corporação de bombeiros local, Mário Nunes, que vai passar a dar o seu nome àquela artéria da cidade.

A comissão de saúde pediu também aos populares que se queiram associar à manifestação para trazer uma flor ou uma vela.

A partir de quinta-feira, a unidade de Abrantes do CHMT vai passar a concentrar a urgência médico-cirúrgica, passando os hospitais de Tomar e Torres Novas a funcionar apenas com um serviço de urgência de nível básico, apta para atender os casos menos graves e não urgentes.

Pelo encerramento, estas duas unidades receberam na terça-feira, 28 de Fevereiro, duas novas ambulâncias de Suporte Imediato de Vida (SIV) do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), para socorrer os casos mais urgentes e fazê-los chegar a Abrantes.

A aplicação do plano de reestruturação do CHMT obriga também a mudanças a nível dos recursos humanos, o que está a provocar algum descontentamento entre os profissionais (médicos, pessoal de enfermagem e dos serviços administrativos) de Tomar e Torres Novas que vão ter que passar a trabalhar em Abrantes.