PUB

chamusca covid continua

PUB

banner cms juntos


Preparar as próximas eleições autárquicas, que vão ocorrer em 2013, é a grande meta de trabalho de Bruno Tomás, o novo líder da nova comissão política do PS Abrantes, eleito no passado dia 1 de Junho.

A única lista concorrente, liderada pelo actual adjunto da presidente da Câmara Municipal, Maria do Céu Albuquerque, obteve 32 votos dos 59 possíveis, ao passo que dois militantes socialistas votaram em branco.

“Em primeiro lugar, há que reunir a nova comissão política concelhia e dai fazer a minha equipa de secretariado. Com toda esta equipa e juntamente com os restantes militantes do PS Abrantes, vamos em conjunto criar a estratégia política dos próximos dois anos”, explicou à Rede Regional o novo líder socialista abrantino.

O plano de acção que pretende desenvolver neste período temporal passa pelo reforço de uma vitória nas autárquicas de 2013, pelo reforço da relação do partido com os órgãos autárquicos, pelo esforço de filiação de novos militantes e pela realização de uma convenção autárquica, entre outras iniciativas enumeradas por Bruno Tomás.

Sobre a reforma administrativa que está em curso, em que Abrantes deverá perder pelo menos seis das 19 freguesias que tem actualmente, o responsável disse que ainda é cedo para se pronunciar mas adiantou que o PS Abrantes vai ter agenda própria em relação aos órgãos autárquicos ou nacionais.

Bruno Tomás é militante do PS desde 2003, tendo começado o seu percurso na JS. É adjunto de Maria do Céu Albuquerque e já tinha desempenhado funções no gabinete de Nelson de Carvalho, no anterior mandato. É membro do secretariado da concelhia desde 2006, e da comissão política distrital desde 2008, pertencendo ainda à distrital da JS, estrutura que reactivou em Abrantes.

O ex-vereador da Câmara de Santarém, Vítor Gaspar, vai ser homenageado, a título póstumo, com a entrega da Medalha de Ouro da Cidade e a atribuição do seu nome ao atual Largo da Igreja de Santa Cruz, na Ribeira de Santarém.

A homenagem realiza-se no dia 10 de Junho, às 16h00, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, altura em que será entregue a Medalha de Ouro da Cidade, também atribuída à Fundação Montepio. A atribuição do nome do ex-autarca ao largo da igreja está marcada para as 17h30.

Estas são apenas duas das cerimónias marcadas para o 10 de Junho em Santarém. Outro dos pontos altos do dia será, às 20h00, a inauguração da Rosácea que requalifica a fachada principal do Convento de S. Francisco, que tem como mecenas que a oferece, a Fundação Montepio e a empresa Águas de Santarém, que suporta os trabalhos relativos à sua colocação, com apontamento musical pela fadista e autora da rosácea, Cristina Maria que apresenta o seu novo trabalho discográfico “Escultura e Fado”.

As comemorações prosseguem com Arraial Popular com entrada livre, no Jardim da República, às 21h00, com porco no espeto e animação com baile a cargo de Pedro Melão.

Antes às 11h00, realiza-se a inauguração do Campo Sintético do Livramento, em Pernes, que foi transferido da quinta do Gualdim.

 

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Funeral de Vítor gaspar dia 1

Morreu Vítor Gaspar vereador na Câmara de Santarém


O PS de Santarém coloca muitas reservas em relação à possibilidade da Câmara de Santarém estar em condições de negociar o prometido resgate financeiro que o governo prometeu às autarquias mais endividadas, tendo em conta que “no fundo, trata-se de nada mais que um empréstimo bancário com juros elevadíssimos”.

A questão foi levantada por Carlos Nestal durante uma conferência de imprensa onde o presidente da comissão política concelhia do PS de Santarém afirmou ter dúvidas que a Câmara tenha a capacidade de gerar receitas suficientes para pagar a ajuda financeira que poderá receber através do mecanismo do resgate.

O responsável lembrou que o município já não dispõe das rendas da EDP, uma vez que as antecipou durante o primeiro mandato de Moita Flores, entregou o estacionamento a uma empresa privada, e já cobra o Imposto Municipal Sobre Imóveis (IMI) à taxa máxima, não o podendo aumentar para encaixar mais dinheiro.

“É o resultado do completo descalabro que tem sido a gestão do PSD nesta autarquia, que a tornou na sétima mais endividada do país”, afirmou Carlos Nestal, chamando a atenção para o facto da dívida da Câmara ultrapassar já os 100 milhões de euros, número que pode ser agravado pelos 12 milhões de euros que se encontram actualmente em litígios judiciais.

“Só a dívida a curto prazo a fornecedores chega quase aos 40 milhões de euros”, exemplificou o mesmo, chamando a atenção para o facto do acordo entre o governo e a Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) para a ajuda às autarquias financeiramente mais asfixiadas prever a redução dos quadros de pessoal e o aumento de todas as taxas municipais e serviços para os limites máximos.

“Temos poucas dúvidas que vamos chegar aos despedimentos, o que vai piorar ainda mais a situação de muitas famílias”, frisou Carlos Nestal, culpando Moita Flores e os seus executivos pela “gestão ruinosa que levou Santarém a esta situação”.

PS pede demissão da administradora da Águas de Santarém

A situação que envolve a Águas de Santarém também mereceu duras críticas por parte de Carlos Nestal e Manuel Afonso, ex-vereador e administrador não remunerado da empresa quando esta ainda era gerida directamente pela Câmara.

“A transformação feita pelo PSD foi um erro total porque a empresa sempre teve técnicos excelentes e pessoal muito capacitado que fez um extraordinário trabalho ao longo de muitos anos, e que agora foram encostados e substituídos por amigos com salários elevadíssimos”, disse Manuel Afonso, chamando a atenção para o facto de existirem hoje problemas constantes a nível do fornecimentos de água e dos munícipes não estarem minimamente satisfeitos com o serviço que lhes é prestado.

Segundo os responsáveis do PS, só a administradora executiva, Marina Ladeiras, aufere um salário superior a 4.000 euros por mês, a que acrescem as deslocações diárias em viatura do município para a sua residência em Cascais. E, na empresa, há mais sete altos quadros dos concelhos de Cascais e Oeiras que ninguém compreende como vieram parar a Santarém, acrescentaram, sugerindo que todo este staff deve ser demitido.

Para Carlos Nestal, a questão da Águas de Santarém ter apresentado um resultado liquido positivo de 725 mil euros “é uma espécie de embuste”.

“É muito fácil apresentar lucros quando se aplica, em média, um tarifário 30% superior aos dos restantes municípios da região. Ou seja, são os munícipes que estão a pagar, não é a empresa que está a funcionar bem”, disse o responsável, considerando estar à vista que o abandono de Santarém do projecto intermunicipal Águas do Ribatejo foi um “erro crasso”.

Mais artigos...

PUB

PUB

PUB

PUB

Scalhidraulica

PUB

Quem está Online?

Temos 556 visitantes e 0 membros em linha