PUB

chamusca natal
Slide thumbnail

PUB

cimt slideshow

PUB

reino natal

PUB

elgalego 2019

banner coruche natal1

Os deputados do PSD eleitos pelo círculo de Santarém reuniram-se esta terça-feira, 27 de dezembro, com os comandos distritais da PSP e da GNR, mantendo a tradição daquilo que tem acontecido nos últimos anos. O objectivo dos social democratas é auscultar as duas forças de segurança face à operação Natal e Passagem de Ano e fazer o ponto de situação da sua atividade no distrito.

Numa nota de imprensa enviada às redações, os deputados do PSD referem que os números do ano relativamente à criminalidade e segurança rodoviária, entre outros, estão, de uma forma global, muito próximos dos valores homólogos do ano passado, tendo relativamente aos números da operação Natal de 2011 sido registado 1 vitima mortal e 6 feridos graves.

Quanto à realidade específica do número de efectivos nas duas forças policiais, os deputados destacam um reforço de 20 elementos na PSP, que desde 2009 não recebia qualquer reforço, e um substancial acréscimo de 65 novos efectivos na GNR, número este que quase duplica os habituais números de efectivos de reforço do comando, e que vêm preencher lacunas de serviço a estas corporações.

Outro dado que mereceu aprovação do PSD foi a apresentação, por parte da GNR, de um novo programa de policiamento de proximidade, que tem como objetivo uma reorganização de meios e serviços ao seu dispor e que pretende ser uma nova forma encarar a presença da GNR no território, onde acima de tudo está o serviço de proximidade às populações.

Dezenas de populares de vários pontos do distrito de Santarém apuparam e vaiaram o ministro Miguel Relvas à entrada da Assembleia Municipal de Tomar, na terça-feira, 27 de Dezembro.

Os manifestantes, que exibiram faixas de protesto contra o encerramento de extensões de saúde no distrito, a cobrança de portagens na A23 e a extinção e fusão de freguesias, assobiaram ruidosamente quando Miguel Relvas, que é natural de Tomar e presidente da Assembleia Municipal, chegou à Praça da República para uma sessão deste órgão.

O ministro não se dirigiu aos populares que o aguardavam e parou por breves instantes apenas para receber os dossiers sobre estas questões que afectam o distrito, e que lhe foram entregues em mão por membros de comissões de utentes e dirigentes sindicais que organizaram este protesto.

O projecto de cidadania “Dar a vez e a voz aos cidadãos” lançou uma petição pública contra a implementação de estacionamento tarifado em Rio Maior, um projecto que a Câmara Municipal já aprovou e fez publicar em Diário da República, estando a sua implementação prevista para Janeiro de 2012.

Neste abaixo-assinado, que já anda a circular pela cidade, os promotores pedem à autarquia que abandone esta intenção, considerando que o estacionamento pago “prejudicará Rio Maior e quem aqui vive e trabalha, agravando o seu custo de vida e afastando potenciais consumidores do comércio local”.

No documento, é ainda criticado o facto da Câmara não ter apresentado qualquer estudo sobre o impacto económico e é salientando que o projecto vai incidir “sobre a zona de maior concentração populacional da cidade, mas prevê a atribuição de apenas cerca de 90 cartões, com um custo anual de pelo menos 30 euros, sem indicação de alternativas de estacionamento para quem não tiver acesso ao mesmo”.

A partir de Janeiro, a Câmara Municipal de Rio Maior vai começar a cobrar pelo estacionamento dos carros num total de 993 lugares, divididos entre o parque de estacionamento subterrâneo no Largo Aires de Sé (73 lugares), o parque do Rossio (28) e a via pública (894), maioritariamente dentro do perímetro urbano da cidade. O projecto foi aprovado na reunião da autarquia de 7 de Outubro, com a abstenção dos vereadores do PS, e o respectivo regulamento do estacionamento de duração limitada na cidade foi publicado em Diário da República (DR) a 21 de Novembro, prazo que terminou na terça-feira, dia 21 de Dezembro.

Para os promotores da petição pública, o estacionamento tarifado foi apresentado aos munícipes como “um facto consumado” que não constava dos “programas eleitorais distribuídos na altura da campanha”, assim como a regulação e os impactos na vida da cidade não foram discutidos abertamente com a população e as associações do concelho. Segundo as contas feitas pelo projecto de cidadania, que podem ser consultadas no blog “Fórum de Rio Maior”, “um trabalhador ou pequeno empresário que tenha necessidade de estacionar junto do seu local de trabalho durante o seu horário laboral poderá ter de pagar, segundo o tarifário proposto, mais de 7 euros por dia e 150 euros por mês”.

“Encher a cidade de parquímetros será, com certeza, mais um factor para afastar os consumidores do comércio local, agravando ainda mais as suas dificuldades”, assinala Carla Rodrigues, eleita na Assembleia Municipal por este movimento, que entregou à Câmara Municipal um parecer contra a intenção do executivo PSD e CDS/PP que gere o município, e incluído no período de apreciação pública do que foi publicado em DR.

Neste parecer, o movimento considera que se trata “de uma medida avulsa, sem planeamento estratégico ou qualquer estudo a sustentá-la, copiada de grandes cidades que estão abastecidas de redes de transportes públicos, no centro, onde o estacionamento é taxado”. Em Rio Maior “não existem transportes públicos urbanos de qualidade que possam desincentivar o uso do automóvel privado”, consideram ainda.

Segundo o projecto publicado em DR, a autarquia justifica a opção de passar a cobrar pelo estacionamento com os custos da construção do parque de estacionamento subterrâneo e do Rossio, e com a requalificação e beneficiação de que os restantes espaços foram alvo, nos últimos anos. Aos investimentos feitos, a Câmara soma os custos de manutenção e de fiscalização, e chega a um custo total anual que ronda os 250 mil euros, valor que espera arrecadar com a aplicação das tarifas de estacionamento.

A autarquia vai ainda comprar 59 parcómetros a 6.715 euros cada um, o que representa um gasto de quase 400 mil euros nos equipamentos para aquisição dos tickets do parqueamento. A este valor, soma-se ainda a aquisição de dois terminais PDA, a 3.000 euros cada, para entregar aos dois fiscais municipais que vão zelar pelo cumprimento do regulamento. Serão estes funcionários do município quem vai detectar os infractores e comunicar à GNR, entidade a quem compete emitir as respectivas coimas, que andarão entre os 30 e os 50 euros.

Mais artigos...

PUB

Rede Regional

Slide backgroundSlide thumbnail

PUB

PUB

cmcartaxo natal

PUB

PUB

politeama rainhadaneve

Quem está Online?

Temos 1453 visitantes e 0 membros em linha