Imagem de arquivo / Ilustrativa

O movimento popular "Juntos pelo Sorraia" quer que os jacintos que continuam a invadir o rio Sorraia sejam retirados diariamente e que seja também encontrada uma solução para os que foram retirados e colocados nas margens.

Slide thumbnail

O movimento Juntos pelo Sorraia acompanhou esta quinta-feira, dia 16, uma delegação do Bloco de Esquerda numa visita a dois pontos do rio no concelho de Benavente - ao Trejoito, onde um manto acastanhado de jacintos não deixa ver que ali passa um rio, e à Torrinha, onde são visíveis nas margens vários montes da planta, com vários metros de altura, e onde uma máquina da Associação de Regantes continua a retirar jacintos do rio, junto à ponte.

“Podemos verificar e dizer que quase que parece que o trabalho não foi feito, porque estamos a falar de milhares de pés de jacintos, uma rede gigantesca que estava a cobrir o rio e que, à medida que a própria água os vai soltando, vão avançando e vão chegando cada vez mais para jusante”, salientou à agência Lusa a bióloga e uma das dinamizadoras do movimento, Sandra Alcobia.

Para a bióloga, é urgente que o trabalho seja diário. “Se imaginarmos que cada semente tem uma duração de vida de perto de 20 anos, imaginem agora todo este banco de sementes que aqui está acumulado, com toda esta montanha de jacintos que estão a ser retiradas de junto das pontes”, disse.

Na nota em que divulgou a visita de hoje, o BE acusou o ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, de ter mentido no parlamento, quando afirmou que o Sorraia está limpo.