PUB

chamusca ja te dou o arroz

PUB

insantarem

Os deputados sociais-democratas eleitos pelo distrito de Santarém querem saber se o anunciado encerramento da central termoelétrica do Pego, em Abrantes, em 2022, se baseou em algum estudo ambiental e económico e se o Governo tem um plano para mitigar os impactos da decisão.

Slide thumbnail

Numa pergunta enviada esta terça-feira, 3 de setembro, ao ministro do Ambiente e da Transição Energética, Matos Fernandes, os deputados questionam se a opção de encerrar a central do Pego antes da de Sines “teve por base algum estudo ambiental e económico que comprovasse a necessidade do seu encerramento ser feito antes das demais centrais a carvão”.

O PSD lembra ainda que um investimento de 97 milhões de euros, realizado em 2009, permitiu o prolongamento em 15 anos da vida útil desta central termoelétrica e torná-la na “mais moderna da Península Ibérica”.

Os deputados questionam igualmente se o Governo preparou algum plano de redução de impacto social e económico nesta região e, em particular, no concelho de Abrantes e se pondera rever a decisão de não renovar/prolongar a licença para lá de 2022.

Querem ainda saber se o Governo admite “alterar a licença de exploração e permitir a utilização de biomassa nesta central, contribuindo assim para a redução da importação de matéria prima e para a limpeza da floresta”.

NOTÍCIAS RELACIONADAS:

Continuação da Central do Pego após 2021 na mão dos políticos

Central do Pego pode ser convertida em central de resíduos florestais



banner comer em casa

 

PUB

PUB

Rede Regional

Slide backgroundSlide thumbnail

PUB

PUB

salvaterra jornadas cultura

PUB

Quem está Online?

Temos 1077 visitantes e 0 membros em linha