As sessões do esclarecimento que o Bloco de Esquerda está a promover no concelho de Salvaterra de Magos sobre a reforma administrativa do território têm contado com grande adesão das populações locais, interessadas em perceber se a sua freguesia corre o risco de ser extinta.

Foi o que aconteceu na primeira iniciativa, que trouxe Francisco Louçã, coordenador nacional do Bloco, à freguesia de Foros de Salvaterra, no passado dia 29 de Fevereiro, e nas sessões já realizadas em Marinhais, onde o pólo da biblioteca municipal esgotou para ouvir a presidente da Câmara de Salvaterra de Magos, Ana Cristina Ribeiro, e Pedro Soares, da comissão nacional autárquica do BE, e na freguesia sede de concelho e no Granho, onde os encontros decorreram no sábado, 3 de Março.

O BE vai ainda realizar mais três sessões públicas de esclarecimento sobre esta questão da possível extinção de freguesias. Segunda-feira, dia 5 de Março, em Foros de Salvaterra (às 21 horas, no pavilhão da comissão de festas), dia 7 de Março em Muge (às 21 horas, na Casa do Povo), e no dia seguinte na Glória do Ribatejo (na sede da Junta, também às 21 horas).

Todas terão como oradores a presidente Ana Cristina Ribeiro e Pedro Soares, além de um representante da Assembleia de Freguesia da localidade onde decorre a sessão, que vão explicar aos presentes as mudanças que se adivinham na gestão territorial do concelho caso a intenção do governo, que prevê a extinção de cerca de 1.300 freguesias no país, venha a ser aprovada.

O concelho de Salvaterra de Magos é composto por seis freguesias, quatro das quais consideradas núcleos urbanos (mais de 2.000 habitantes) e as outras duas rurais. Como foi classificado de nível 2, o município terá que extinguir duas freguesias urbanas e uma rural, passando a ficar com apenas três.