Os deputados do PSD eleitos pelo círculo de Santarém querem saber quais os montantes que o Estado português atribuiu nos últimos cinco anos à Unicer, empresa que anunciou no início de Janeiro o encerramento da sua unidade de produção de cervejas em Santarém, em 2013.

A pergunta é colocada ao Ministério da Economia e do Emprego através de um requerimento entregue na Assembleia da República, onde os eleitos social-democratas questionam tanto quais foram os valores atribuídos através de fundos comunitários, como através de financiamentos individuais.

“Qual o valor global atribuído pelo Estado Português, às empresas do concelho de Santarém no âmbito de programas de apoio e financiamento destinados à promoção de emprego e no âmbito de apoios à produção nacional”, questionam de seguida Nuno Serra, Vasco Cunha, Carina João Oliveira, Isilda Aguincha e Duarte Marques, para ter um termo de comparação em relação à Unicer, empresa que “que apresenta um lucro considerável, e crescente, nos últimos anos”.

“De que forma equaciona a atribuição consequente de financiamentos que vierem a ser requeridos pela Unicer S.A.”, questionam por fim os deputados, que lembram no documento que o encerramento de fábrica de Santarém significa a “cessação de funções de 133 postos de trabalho”, com a deslocalização da linha de produção para Leça do Balio.

“Esta reorganização produtiva da Unicer não poderá ser vista como um incremento para a produção, nem para o emprego, visto que não altera a quantidades a produzir, nem cria qualquer posto de trabalho”, afirmam os social-democratas, para quem “importa avaliar os apoios estatais dos últimos anos à referida empresa, ao nível do que foi destinado ao investimento no concelho de Santarém, que tem um impacto significativo em toda a região, e que de um momento para o outro pode ficar prejudicado por uma decisão ainda não compreendida, ao nível de uma unidade lucrativa da empresa”.