ANDRÉ LOPES, Jornalista e blogger

“Morangos com Açúcar – O Filme”: 130 mil espectadores na primeira semana de exibição. “As Cinquenta Sombras de Grey": mais de trinta e cinco mil exemplares de livros vendidos em Portugal.

Este verão foi pródigo a bater recordes em várias temáticas e em termos culturais os números falam por si.

Em 2005, quando “O Crime do Padre Amaro” foi um êxito de bilheteira como nunca antes visto, não faltou quem viesse anunciar o início de uma nova era no cinema português. Agora, “Morangos com Açúcar - O Filme”, volta a ser um êxito de bilheteira e parece que o panorama cinematográfico continua igual. Mas existe algo que mudou.

Os cineastas que nos granjeiam notoriedade internacional não deixaram de rodar nos cinemas nem de seguir o seu percurso, embora sem o devido reconhecimento do seu pais.

Não podemos comparar dois tipos de filmes que nada têm em comum – o “comercial” e o “alternativo”. Quem se lembra da “Branca de Neve” de João César Monteiro? Quem viu “Tabu” de Miguel Gomes ou “É na Terra não é na Lua” de Gonçalo Tocha? Tabu foi nomeado para Urso de Ouro no Festival de Berlim e o filme de Gonçalo Tocha foi premiado em Lisboa, São Francisco, Buenos Aires. Por Portugal, passaram em poucas salas de cinema, a maior parte em cineclubes e poucos foram os meios de comunicação social que falaram sobre eles.

 É mais provável que se lembrem do “Filme da Treta”, “Call Girl” ou “Corrupção”, os filmes mais vistos de 2004 até início de Setembro de 2012.

Mas quem representa os portugueses no estrangeiro? “Sangue do Meu Sangue” está nomeado para os óscares de 2013. Foi o filme mais visto em 2011. Uma excepção. Mas é de apontar que há uma discrepância entre os filmes que são galardoados no estrangeiro e que cá passam (quase) despercebidos. Não percebo porque tal acontece.

O mesmo se passa com os livros. O autor português que mais vendeu nos últimos cinco anos foi José Rodrigues dos Santos. A ele seguiu-se Miguel Sousa Tavares. Um apresenta o telejornal na RTP e pisca o olho ao espectador no final de cada noticiário, o outro é comentador na imprensa e na televisão. Ambos têm várias “profissões” e, por isso, são também considerados escritores. O mesmo se passa com Gonçalo Amaral, que lançou o livro sobre Maddie, a menina que desapareceu no Algarve. O livro deste antigo inspector da Polícia Judiciária figura entre os dez mais vendidos.

Gostos não se discutem, é uma verdade.

 O livro de E. L. James está a alcançar recordes a nível mundial (ufa, que alívio, este mal não é apenas português) com vendas acima dos 40 milhões de livros. “As Cinquentas Sombras de Grey” é um romance erótico com tons de sadomasoquismo, onde um jovem casal mostra como funciona o seu mundo íntimo repleto de algemas, chicotes e uma parafernália de objectos sadomasoquistas.

O jornal “The Guardian” (Reino Unido) refere que o livro tem diálogos “improváveis”, “um enredo fraco e repetições irritantes”. Mas vende. Até por cá tem estado no top de livros mais vendidos.

E já que o livro está a vender tão bem, porque não adaptá-lo ao cinema? É mesmo isso que vai acontecer. E já se fala no cantor Justin Bieber para protagonizar a história. Voltamos ao início, ao público dos Morangos com Açúcar. Salve-se quem puder, porque público já temos.

André Lopes

Jornalista e bloguer