chamusca-celia-barrocabanner festas

agua torneira

Mais de metade dos municípios da região desperdiçam grande parte da água que tratam para consumo humano e que não faturam por razões diversas, o que leva a Entidade Reguladora dos Serviço de Águas e Resíduos (ERSAR) a classificar a maioria dos sistemas com qualidade do serviço insatisfatória.

Segundo o relatório anual da ERSAR de 2018, que analisa pormenorizadamente o setor, Mação é o pior concelho da região e um dos piores do país neste capítulo, com um total de 70,2% da água tratada não faturada.

Ferreira do Zêzere (57,7%) e Rio Maior (54,1%) são outros dois concelhos onde este indicador ultrapassa os 50%, o que significa que mais de metade da água tratada não é faturada, "perdendo-se" por várias razões, de fugas em condutas envelhecidas ou danificadas à utilização para fins públicos não pagos, como regar jardins ou encher piscinas.

Ainda com um nível de perdas muito elevado estão os sistemas de abastecimento de concelhos como Tomar (47,5%), Sardoal (46,9%), Entroncamento (42,7%), Barquinha (37,3%), Constância (36,4%), e Santarém (34,1%), todos classificados pela ERSAR com "insatisfatório".

O sistema intermunicipal Águas do Ribatejo, que abrange os concelhos de Almeirim, Alpiarça, Benavente, Chamusca, Coruche, Salvaterra e Torres Novas) também tem nota negativa, com 32,4% de água tratada e não faturada.

Com classificação mediana estão os sistemas de Ourém (25,6%), Cartaxo (24,9%) e Abrantes (21%).

Com classificação bom no distrito surge apenas a Luságua, de Alcanena, com um indicador de 17,1%.

Nas conclusões a este estudo anual, feito em 2018 mas com dados de 2017, a ERSAR considera que, a nível de Portugal continental, a percentagem de água não faturada é insatisfatória, indiciando potencial de melhoria com a alteração de procedimentos de faturação e a redução de perdas de água.

A Entidade Reguladora dos Serviço de Águas e Resíduos conclui ainda que o valor da média do indicador para o serviço em baixa apresenta uma tendência favorável até 2016 e, em 2017, uma evolução desfavorável.

ÁGUA DE BOA QUALIDADE

Já no que diz respeito à qualidade da água, Mação é o único concelho que recebe a classificação média, com uma taxa de 97,8% de água segura, tendo os restantes concelhos percentagem consideradas boas (acima de 99%).

Simulacro da Proteção Civil no Entroncamento - Fotos: José Neves