chamusca voulevartecomigocms banner carnaval

Politica

Imagem de Arquivo / Ilustrativa

Os vereadores do PS na Câmara de Santarém discordam frontalmente da solução proposta pela maioria PSD para a localização da futura casa mortuária em terrenos do antigo Bairro 16 de Março (Bairro Salazar).

Embora o assunto esteja ainda em fase inicial de discussão e nem sequer exista projeto, o PS discorda da ideia, entre outros motivos, porque a ligação entre o bairro e o cemitério obriga a atravessar algumas das artérias principais da cidade, incluindo três das rotundas mais complicadas do planalto, nomeadamente as do presídio, tribunal e shopping.

"Faz algum sentido construir a casa mortuária do lado oposto ao cemitério, obrigando os cortejos fúnebres a atravessarem o centro da cidade", questionou a vereadora Sofia Martinho na última reunião do executivo municipal, realizada na segunda-feira, 18 de fevereiro.

A autarca socialista argumentou ainda que o acesso, que é feito pela Rua Humberto Delgado, junto ao antigo Presídio Militar, é estreito, apresenta dificuldades notórias de circulação, sobretudo devido aos muitos carros habitualmente estacionados no local.

Na resposta, o presidente da autarquia, Ricardo Gonçalves (PSD), que como a Rede Regional avançou na altura, falara no assunto na reunião do executivo municipal de 4 de fevereiro, reafirmou que nada está ainda decidido, revelou que os estudos prévios só deverão avançar no próximo ano, e garantiu que a eventual construção só acontecerá após discussão e aprovação em reunião de câmara.

Ainda assim o autarca defendeu a localização tendo em conta que aquele é um dos poucos terrenos na cidade que reúne condições de espaço e pacatez para se avançar com um projeto deste tipo. Revelou ainda que todo o acesso à zona do Bairro 16 de Março será futuramente requalificado.

Pelo contrário, toda a zona junto ao atual cemitério, onde se situará também o futuro crematório, não possui muitos terrenos com as referidas condições e os poucos que existem são demasiado caros para as possibilidades do município.

"As expectativas de alguns escalabitanos estão muito além daquilo que é o orçamento municipal", disse Ricardo Gonçalves, concluindo que "tem de ser tudo muito ponderado".

Recorde-se que a atual casa mortuária que serve a cidade se situa junto às Portas do Sol, local de difícil acesso e estacionamento complicado, e que obriga os cortejos fúnebres a atravessarem parte do centro histórico.

 

NOTÍCIA RELACIONADA:

Casa Mortuária de Santarém no antigo Bairro 16 de Março

entroncamentomunicipiomosteiros

O presidente da Câmara e a vereadora com pelouro da Educação de Mosteiros, em Cabo Verde, visitaram o Entroncamento nos dias 20 e 21 de fevereiro, no âmbito da geminação que existe entre os dois municípios desde 22 de maio de 1997.

Carlos Fernandinho Teixeira e Maria Veiga conheceram a Escola Básica do Bonito e algumas obras a decorrer no cidade, como o Mercado Municipal e o cineteatro São João.

Foram ainda recebidos nos paços do concelho pelo vice-presidente da Câmara do Entroncamento, Carlos Amaro, e pelas vereadoras Ilda Joaquim e Tília Nunes, numa reunião que terminou com a oferta de alguns livros para a biblioteca municipal de Mosteiros.

poluicao geral

Os deputados do Partido Socialista (PS) eleitos pelo círculo de Santarém entregaram esta quarta-feira, 20 de fevereiro, na Assembleia da República, uma pergunta dirigida ao Ministério do Ambiente e da Transição Energética sobre a poluição da Ribeira da Boa Água, em Torres Novas.

No documento, assinado por Hugo Costa, António Gameiro e Maria Lopes, os deputados fazem um breve resumo do historial recente da poluição daquele curso de água, afluente do Rio Almonda, referindo o alarme social e as preocupações relacionadas com o ambiente.

Dando conta de uma visita que efectuaram à ribeira esta segunda-feira, dia 18, os deputados questionam quais os resultados e conclusões retiradas das diversas diligências efetuadas, que novas medidas estão a ser preparadas com vista à resolução deste problema e se são conhecidos dados dos eventuais impactos desta problemática na saúde pública.

Simulacro da Proteção Civil no Entroncamento - Fotos: José Neves