PUB

chamusca covid continua

PUB

santarem embreve

Imagem de arquivo / Ilustrativa

Economia

O grupo de transportes de passageiros Rodoviária do Tejo (RT) diz que para garantir a sua sustentabilidade e a disponibilização dos serviços essenciais é fundamental que o Estado liquide “de imediato” a dívida de dois milhões de euros à empresa.

Slide thumbnail

Numa carta aberta, a RT considera essencial que o governo efetive mecanismos que garantam a sustentabilidade destas empresas, de forma a permitir a disponibilização dos serviços essenciais, e considera urgente reconhecer que o estado de inatividade das empresas do ramo implica custos muito elevados, o que atualmente compromete a sustentabilidade das empresas que operam serviços de transporte público.

O grupo, que integra as empresas Rodoviária do Tejo, Rodoviária do Lis e Rodoviária do Oeste, refere que as medidas tomadas em prol da saúde pública no âmbito da pandemia de covid-19, induziram enormes impactos diretos na redução das receitas provenientes da venda de serviços de transporte, agravando o défice de exploração dos serviços de transporte.

A Rodoviária do Tejo defende ainda a necessidade dos municípios procederm à alocação das verbas dos transportes escolares aos respetivos operadores, independentemente do serviço estar ou não suspenso, o que permitirá minimizar de forma significativa a enorme desproporcionalidade dos impactos negativos desta crise.

O Grupo Rodoviária do Tejo desenvolve a sua atividade nos distritos de Santarém e Leiria, contando com 750 trabalhadores e uma frota de 580 viaturas.



banner fiqueemcasa

 

PUB

PUB

PUB

  • jorge_malacas.jpg

PUB

rede regional banner contactos essenciais

PUB

promo almeirim

Quem está Online?

Temos 348 visitantes e 0 membros em linha