Economia

As obras de requalificação do mercado municipal de Santarém, iniciadas a 13 de agosto, continuam a avançar e o interior do edifício, nomeadamente a zona de bancas, já está, demolida.

{creativeslider id="2"}
Esta segunda-feira, 23 de setembro, a pedido dos vereadores do PS, o executivo da Câmara Municipal de Santarém efetuou uma visita ao espaço, cujas obras, orçadas em cerca de 2 milhões de euros, estão a cargo da empresa Habitâmega Construções, S.A.

As obras de requalificação do mercado municipal, uma obra do arquiteto Cassiano Branco, construída em 1928, incluem a recuperação integral do espaço com o objetivo de reparar todos os danos estruturais existentes, criando uma área muito mais moderna e funcional, destinada a ser vivida diariamente.

O centro do futuro mercado será uma área em forma de cruz, com 36 bancas destinadas ao mercado diário, que terão em seu redor 4 praças, uma delas destinada a instalar o posto de turismo e as outras destinadas a restauração.

Os espaços exteriores (lojas), também serão recuperados, ficando 29 deles destinados a atividades que vão do artesanato a geladaria, passando por florista, vinhos e loja de conveniência, entre outros.

Pouco depois da visita, já na reunião de câmara, interpelado por António Bento, um dos antigos vendedores do mercado, o presidente da autarquia, Ricardo Gonçalves, garantiu que o mercado, atualmente a funcionar num espaço na Casa do Campino, vai permanecer aberto no local durante as Festas de São José, em Março, revelando que ainda está em estudo a hipótese de também se manter em funcionamento durante o Festival Nacional de Gastronomia, que se realiza daqui a um mês.

Refira-se que as obras do mercado têm um prazo de execução de um ano, devendo estar prontas em agosto de 2020.