Economia

As auto-estradas que cruzam o distrito de Santarém registaram uma quebra significativa a nível do volume de trânsito automóvel, segundo os dados do Instituto de Infra-Estruturas Rodoviárias (INIR) relativos à variação do tráfego médio diário da rede nacional de auto-estradas, durante o ano de 2011.

Na A15, que liga Santarém às Caldas da Rainha passando por Rio Maior, a diminuição global foi de 15,1%, a 31 de Dezembro do ano passado. Pegando, por exemplo, neste mês e comparando-o com os valores registados em Dezembro de 2010, é possível aferir que circularam nesta auto-estrada menos 737 viaturas, o que dá qualquer coisa como 25 carros por dia.

A quebra na A13, que liga Almeirim à Marateca passando por Salvaterra de Magos, Coruche e Benavente, é ainda mais acentuada, situando-se nos 16,6%.

Fazendo o mesmo exercício para a auto-estrada que serve o sul do distrito, a diminuição entre meses homólogos é de 1.577 veículos, ou seja, aproximadamente 53 carros por dia.

No que se refere à A23, que liga Torres à Guarda passando pelos concelho do Entroncamento, Constância, Abrantes e Mação, o trânsito registou uma quebra de 30,9%. Por ser sensivelmente o dobro, este valor permite aferir que a diminuição de tráfego se tem feito sentir com maior intensidade nas ex-SCUT onde entretanto foram introduzidas portagens do que nas vias construídas de raiz com o perfil de auto-estrada. A A23 perdeu, em média, cerca de 118 carros por dia.

Na A1, a principal auto-estrada do país que liga Lisboa ao Porto, a quebra cifrou-se nos 9,5%.