PUB

festival cogumelo

PUB

carnaval santarem


Os Secret Lie, cujo primeiro álbum "Behind The Truth" teve entrada directa para o 13º lugar dos discos mais vendidos na semana de estreia, vão subir ao palco do cineteatro de Almeirim no próximo dia 24 de Novembro, a partir das 22 horas.

Além da divulgação do trabalho da banda por terras ribatejanas, o concerto tem como objectivo a angariação de fundos para os bombeiros voluntários de Almeirim.

Os Secret Lie são formados por Pedro T. Silva, Tiago Ramos, Nuno Correia, Cláudio Nunes, Adelino Duarte, Tó Pica e Sara Madeira.

"Beautiful Wild Rose" é o primeiro single da banda, e o videoclip está disponível no site oficial, em secretlieband.com.

O escritor ribatejano Samuel Pimenta é um dos oito premiados do Prémio Jovens Criadores 2012, na vertente de Literatura. O escritor, natural de Alcanhões, Santarém, foi distinguido pelo poema "O Relógio", um original de 13 páginas, que se pode inserir na chamada poesia de intervenção, com uma crítica feroz à sociedade contemporânea e a tudo o que limita e controla a humanidade. “O Eu Poético utiliza uma linguagem multidimensional e, pegando na figura do relógio, metaforiza a realidade que observa”, explicou o autor ao Rede Regional.

Este prémio, que vai já na sua 12ª edição e já foi entregue a nomes como José Luís Peixoto, Valter Hugo Mãe e João Tordo, entre outros, é uma iniciativa do Clube Português de Artes e Ideias (CPAI), uma associação cultural sem fins lucrativos, de utilidade pública, que desenvolve, desde 1986, uma acção de incentivo à criação em todos os domínios da actividade cultural contemporânea.

Questionado pelo Rede Regional, Samuel Pimenta não esconde que tinha a secreta esperança de ser um dos oitos selecionados. “Se concorri, significa que tinha expectativas. Na verdade, sempre senti que tinha potencial ao concorrer com o poema"O Relógio". Ter conseguido estar entre os oito melhores, com um poema, faz-me acreditar que a poesia em Portugal ainda está bem viva e atenta. Ser um dos vencedores deste ano, deixa-me com um sentimento de profunda gratidão ao Universo e a todas as pessoas que acreditam no meu trabalho, especialmente a família e os amigos, que são as pessoas mais próximas”, refere Samuel Pimenta.

O jovem escritor, que é também colunista na Rede Regional, escreve desde os 10 anos e esta distinção significa muito para si.” Escrevo porque, desde pequeno, sinto que tenho algo a dizer, que só escrevendo posso cumprir o que tenho a cumprir, e uma notícia deste tipo é muito reconfortante e incentivadora. Faz-me querer escrever mais e mais e mais, para que possa dizer o que tenho a dizer a cada vez mais e mais e mais pessoas”, analisa.

Perceber que escritores como José Luís Peixoto, João Tordo, Valter Hugo Mãe e Ondjaki já foram distinguidos com este prémio, faz Samuel Pimenta acreditar que, se aproveitar bem as oportunidades e se mantiver serenamente neste caminho que decidiu seguir, pode conseguir o que pretende.

“O relógio” será agora editado na coletânea “Jovens Escritores 2012”, que juntará as oito obras premiadas na edição deste ano.

O programa Jovens Criadores realiza-se anualmente e é apoiado pelo Instituto Português da Juventude (IPJ) e pela Secretaria de Estado da Juventude e dos Desportos. Recebe anualmente uma média de 400 trabalhos, em várias áreas, escolhendo, em média, cerca de 80.

Os objetivos principais passam por promover a interacção entre artistas em início de carreira, constituir uma plataforma privilegiada para a atribuição de visibilidade ao seu trabalho, descentralizando a oferta cultural, levando a inovação criativa e artística a populações menos expostas à actividade cultural actual.


"O Crime da Aldeia Velha", escrito por Bernardo Santareno a partir da história verídica de uma mulher que foi queimada viva, é a peça que o Centro Cultural do Cartaxo (CCC) vai colocar em palco entre os dias 16 e 19 de Novembro, sempre às 21h30.

Depois do sucesso alcançado pela peça "Um Marido Ideal", este é o segundo projecto de teatro comunitário que o CCC e a Área de Serviço - Projecto de Criação Teatral estão a desenvolver no Cartaxo, onde os actores são todos amadores e entusiastas das artes de palco, que ainda dão uma ajuda no guarda-roupa, na produção do cenário e em tudo o mais que for necessário.

"O Crime da Aldeia Velha" vai ser representado por cerca de 50 elementos, entre os 11 e os 71 anos, dos quais 15 têm um papel efectivo na peça, que já está em plena fase de ensaios.

"Apesar de ser feita com actores amadores, queremos sobretudo que seja um espectáculo de grande qualidade, como qualquer um que se vá ver a Lisboa. Tudo isto serve para mostrar que é possível fazer bom teatro com pouco dinheiro, mas com o empenho das pessoas", explicou Frederico Corado, encenador e um dos principais responsáveis pelo desenvolvimento deste projecto.

"Ao contrário da primeira peça, que foi uma comédia ligeira, esta é bem mais exigente, é um drama de faca e alguidar, com muito sangue, gritos e desespero", acrescentou Frederico Corado, explicando que os actores enfrentam um desafio significativamente maior.

"O Crime da Aldeia Velha" conta a história de Joana, uma mulher acusada de bruxaria que foi queimada viva na fogueira em Marco de Canavezes, corria o ano de 1933, e que Bernardo Santareno dramatizou a partir dos escritos dos jornais da altura.

Sobre o autor scalabitano, Frederico Corado lamentou que "apesar de ser um dos grandes nomes do teatro português, seja tão pouco encenado", e sublinhou que o último dia da peça - 19 de Novembro - coincide precisamente com o aniversário do nascimento de Bernardo Santareno.

 

Nota:

A Rede Regional é parceira oficial deste projecto. Até à data da estreia, vamos acompanhar a par e passo o seu desenvolvimento e  evolução através de notícias, entrevistas, reportagens fotográficas, vídeos e passatempos, em colaboração com o Centro Cultural do Cartaxo e a Área de Serviço - Projecto de Criação Teatral.

Mais artigos...

PUB

PUB

PUB

Rede Regional

Slide backgroundSlide thumbnail

PUB

barquinha savel lampreia 2020

PUB

Quem está Online?

Temos 780 visitantes e 0 membros em linha