chamusca bibliotecatecfresh2018 slide

Sociedade

santaremtribunalfotoutilentradagente

Dois jovens que se fizeram passar por vítimas de um roubo com arma de fogo que nunca ocorreu, em Benavente, foram condenados no Tribunal de Santarém por dois crimes de denúncia caluniosa.

Bruno C., de 24 anos, apanhou três anos e seis meses em cúmulo jurídico, ao passo que André S., de 28, foi condenado a dois anos e quatro meses, tendo o coletivo de juízes decidido suspender a execução da pena a ambos.

No entanto, e para evitar a prisão, os arguidos vão ter que pagar solidariamente 22 mil euros de indemnização cível a um dos homens que acusaram falsamente de os ter assaltado, e que esteve um total de sete meses e 11 dias em prisão preventiva e domiciliária devido à mentira que inventaram.

Recorde-se que o caso remonta a 2012, e começou depois dos arguidos terem sido enganados por dois vendedores ambulantes num negócio que envolvia a aquisição de telemóveis topo de gama na chamada “candonga”.

À procura de vingança, Bruno C. e André S. formalizaram queixa-crime por roubo no posto da GNR de Benavente, onde contaram aos militares que ficaram sem 300 euros depois de terem sido abordados na rua por dois indivíduos que não conheciam, e que lhes apontaram uma pistola.

Por se tratar de crime com armas de fogo, o inquérito passou para a alçada da PJ, que, no decurso da investigação, chamou os jovens às suas instalações, em Lisboa, em duas ocasiões.

Na primeira, os queixosos identificaram os supostos assaltantes através de fotografias, ao passo que, na segunda vez, confirmaram mesmo a sua identidade através de um reconhecimento presencial.

Em março de 2013, perante as provas recolhidas pela Judiciária, um dos supostos assaltantes, que já tinha cadastro criminal, foi colocado em prisão preventiva e posteriormente em prisão domiciliária, a aguardar julgamento.

O lesado deduziu um pedido de indemnização cível de 67 mil euros, por dano patrimoniais e não patrimoniais, tendo o coletivo de juízes do Tribunal de Santarém decidido atribuir-lhe 22 mil euros.

gnr cabeca gorda

Duas mulheres e um homem, com idades compreendidas entre os 28 e 46 anos, foram detidos esta terça-feira, 16 de outubro na localidade de Cabeça Gorda, concelho de Rio Maior, por serem suspeitos da prática de cinco crimes de furto em residências.

As detenções foram feitas por militares do Núcleo de Investigação Criminal da GNR de Pombal, no âmbito de uma investigação, que decorria há cerca de um mês, por furto em residências nos concelhos de Óbidos, Caldas da Rainha e Bombarral.

Os militares efetuaram várias diligências que culminaram na detenção dos suspeitos, em flagrante delito, no momento em que estes abandonavam uma das residências alvo de furto.

Além do veículo em que os suspeitos se faziam transportar, froam apreendidos 12 artigos em ouro (anéis, fios e brincos); 2 carteiras; 1 LCD; 1 iPod; 1 telemóvel; 1 martelo pneumático; 1 bolsa de senhora; 1 par de luvas; 1 caixa de ferramentas e 45 euros em numerário.

Os indivíduos, já com antecedentes por furto, estão detidos nas instalações da GNR, e serão presentes esta quarta-feira no Tribunal Judicial das Caldas da Rainha.

psp geral01

Vinte e dois cidadãos de nacionalidade estrangeira foram identificados durante a noite desta terça-feira, 16 de outubro, durante operação conjunta da PSP com o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), em Tomar

Das 22 pessoas identificadas, três foram notificados para comparência no SEF com a finalidade de se averiguar melhor a sua situação em território nacional; uma foi notificada para abandonar voluntariamente o País no prazo de 20 dias, por se encontrar em situação irregular em território nacional; e outra, com uma indicação de procura oriunda de Espanha, viu o seu nome comunicado ao Gabinete Nacional Sirene.

Nas últimas horas, a polícia deteve ainda um homem, de 33 anos de idade, em virtude de ser fiscalizado e se ter verificado não ser titular de habilitação legal para o exercício da condução.

Outro homem, maior de idade, foi igualmente detido por sobre ele pender mandado de detenção e condução para cumprimento de 2 anos e 8 meses de prisão, tendo sido entregue no estabelecimento prisional das Caldas da Rainha.

Partida em Coruche do Grande Prémio de Ciclismo Abimota - Fotos: João Dinis