chamusca apptagus

Sociedade

fogo geral

O fogo que veio do concelho de Vila de Rei, e que há dois dias está a provocar a destruição de grande parte do concelho de Mação e dos concelhos vizinhos de Abrantes e Sardoal, continua ativo e com muitas projeções e reativações, o que tem impedido os bombeiros de extinguir as chamas.

Às 22h00 desta quinta-feira, 17 de agosto, estavam no local 930 operacionais, apoiados por 279 viaturas, que continuavam com muitas dificuldades, sobretudo devido à orografia do terreno e ao forte vento que se faz sentir na zona.

Esta tarde dois bombeiros que estavam com um autotanque sofreram queimaduras de 1º e 2º grau, um num braço e numa mão e o outro numa perna, no combate ao incêndio que lavra em Lercas, freguesia de Mouriscas, no concelho de Abrantes.

O incêndio continua com várias frentes nos três concelhos tendo várias dezenas de pessoas sido retiradas, por precaução, das suas habitações.

incendio avioes

Mais de uma centena de pessoas teve de ser deslocada das suas casas nas últimas horas devidos aos incêndios que estão a afetar o norte do distrito de Santarém. Segundo a Proteção Civil, há 81 deslocados em Mação, 24 em Abrantes e 28 no Sardoal, num total de 133 pessoas, maioritariamente idosos.

Para se ter uma ideia do nível de destruição que as chamas têm provocado, o presidente da Câmara de Mação, Vasco Estrela, estima que 80 a 90% do concelho tenha ardido devido ao a este incêndio e ao que esteve ativo no final de julho.

“Acabei de dar uma volta por grande parte do perímetro do fogo, é desolador aquilo que se vê. O concelho está completamente destruído. É uma imensidão de problemas que aqui temos. Temos 80, 90% do concelho ardido, é esta a realidade, infelizmente”, disse Vasco Estrela, citado pela agência Lusa.

A autoestrada 23 (A23), que liga Torres Novas à Covilhã, este cortada durante várias horas entre o Nó de Mouriscas e Nó de Gardete mas foi reaberta pelas 5h20. As estradas cortadas são a EN 244-3, entre Louriceira e Serra, a EM 1284 entre Chão Codes e Vila de Rei, a EM 548, entre Chão de Codes e Aboboreira, e os Caminhos Municipais (CM) 1284, 75, e 1285.

Às 9h45 estavam no terreno 967 operacionais, apoiados por 280 viaturas e 15 meios aéreos.

sismo benavente

O sismo sentido às 7h44 em grande parte dos distritos de Lisboa e Santarém não provocou danos pessoais ou materiais.

Segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), o tremor de terra teve uma magnitude de 4.3 na escala de Richter, com epicentro a quatro quilómetros este-nordeste de Sobral de Monte Agraço, próximo de Torres Vedras, na zona Oeste do distrito de Lisboa.

A Rede Regional teve informações de que o sismo foi sentido em vários concelhos, sobretudo no centro-sul do distrito mas a proteçao civil não registou qualquer pedido de ajuda.

A escala de Mercalli tem 12 níveis, entre o impercetível e danos quase totais. O tremor de terra de hoje teve nível III e corresponde a um sismo fraco.

Segundo o IPMA, um abalo na escala III de Mercalli implica que seja sentido dentro de casa e que os objetos pendentes baloicem.

“A vibração é semelhante à provocada pela passagem de veículos pesados. É possível estimar a duração mas não pode ser reconhecido com um sismo”, explica o IPMA.

XTerra Golegã - Fotos Carlos Simões