chamusca apptagus

Sociedade

incendio aldeia mato01

Cerca de três dezenas de pessoas foram evacuadas das suas casas em seis localidades do concelho de Ferreira do Zêzere, devido ao incêndio que permanece ativo desde sexta-feira e que atualmente tem quatro frentes ativas.

A informação foi já confirmada pelo presidente da Câmara Municipal de Ferreira do Zêzere, Jacinto Lopes, que avança que a autarquia aconselhou algumas unidades hoteleiras da zona para as pessoas saísse, de forma a mais tarde não criarem uma situação de risco”.

O Plano Municipal de Emergência de Ferreira do Zêzere foi ativado à 1h30 da madrugada deste domingo, 13 de agosto, permanecendo no local, às 14h00, 402 operacionais, apoiados por 121 viaturas e 6 meios aéreos.

O fogo começou na sexta-feira em Alvaiázere, distrito de Leiria, e tinha sido dado como dominado, mas reativou na manhã de sábado e obrigou ao corte da A13.

Este é o incêndio mais preocupante no distrito de Santarém, onde há no entanto duas outras situações a mobilizar bastantes meios.

Em Tomar, o fogo que deflagrou às 15h58 de ontem em Carvalhal está dado como em fase de resolução, mas permanecem no local 228 homens, apoiados por 77 viaturas.

Em Abrantes, onde as chamas consomem mato e floresta desde quarta-feira, a proteção civil diz que o fogo está em conclusão, mantendo-se no terreno 256 operacionais, apoiados por 84 veículos.

tomarincendioqueimadura

Uma mulher de 40 anos está internada na unidade de queimados do Hospital de Coimbra na sequência de queimaduras sofridas no incêndio que fustiga a zona do Carvalhal, no concelho de Tomar, desde as 16 horas deste sábado, 12 de agosto, e que neste momento concentra ainda no terreno quase 250 bombeiros, apoiado por 78 viaturas.

A mulher, segundo a Proteção Civil, sofreu queimaduras em cerca de metade do corpo, ao ser apanhada pelas chamas na aldeia de Vale do Vime, tendo sido primeiro assistida no Hospital de Abrantes antes de ser enviada para Coimbra.

No mesmo fogo, um homem sofreu também queimaduras de menor gravidade na aldeia de Outeiro do Forno, tendo sido assistido no local e transportado à unidade hospitalar de Abrantes.

Este incêndio que lavra, que consumiu uma grande área florestal onde existem muitas habitações dispersas fora dos aglomerados populacionais na União de Freguesias de Serra e Junceira, obrigou à retirada de 78 pessoas de suas casas, colocadas em lares e instituições de solidariedade social.

maria ceu albuquerque1

A presidente da Câmara Municipal de Abrantes, Maria do Céu Albuquerque, acredita que os incêndios que nos últimos dias deflagraram no concelho tiveram origem criminosa e aguarda agora os resultados das investigações em curso.

“Temos a clara noção de que há aqui uma clara tentativa de provocar mais danos. O que aconteceu ontem [sexta-feira] às portas da cidade claramente não foi um reacendimento ou uma projeção, foi um novo incêndio e temos receio de que outras situações possam acontecer e comprometer o trabalho que foi feito durante estes dois dias e meio aqui no concelho de Abrantes”, disse a autarca.

Maria do Céu Albuquerque quer dar tempo às autoridades que estão a fazer investigações no terreno mas espera que em breve seja possível “encontrar os responsáveis por esta calamidade que assolou o concelho".

XTerra Golegã - Fotos Carlos Simões