chamusca bibliotecatecfresh2018 slide

 poluicao alfange

A coordenação distrital d Santarém do Bloco de Esquerda (BE) denunciou esta quinta-feira, 19 de julho, a existência de um ponto de descarga de esgoto diretamente para o rio Tejo em Alfange, atribuindo responsabilidades do caso à Câmara de Santarém.

No local onde esgota ininterruptamente água, que a população se queixa de provocar maus cheiros constantes, Francisco Cordeiro, eleito do BE na Assembleia Municipal de Santarém, e o ativista pelo rio Tejo Armindo Silveira, ambos da coordenadora distrital do Bloco, consideraram inadmissível que, sendo a situação do conhecimento do município, esta se arraste há imenso tempo. Recordaram ainda que a situaçºão já tinha sido denunciada publicamente nas reuniões da Assembleia Municipal de fevereiro e março deste ano.

Questionada pela agência Lusa, a administradora executiva da empresa Águas de Santarém, Teresa Ferreira, reconheceu serem ocasionalmente detetados pontos de descarga “de origens não identificadas”, geralmente a partir de construções “muito antigas que têm redes unitárias (juntando águas pluviais e esgotos) e não separativas”.

Teresa Ferreira afirmou que muitas vezes as situações não são detetadas porque a origem está dentro das próprias casas, e só em situações de obras ou de alertas é que chegam ao conhecimento da empresa.

“Não basta dizer que houve uma cobertura de quase 90% de saneamento básico do concelho, porque muitas vezes faz-se a ligação, mas depois falta o principal”, ou seja, o tratamento dos efluentes, disse Armindo Silveira.

“Não sei se este será um caso destes, em que estão feitas as ligações numa parte da cidade, mas, de facto, aqui, pode-se ver - o caudal ainda é volumoso -, está a ir diretamente para o rio Tejo. Isto é inadmissível quando o rio Tejo tem sofrido imensos atentados ambientais”, concluiu.

Partida em Coruche do Grande Prémio de Ciclismo Abimota - Fotos: João Dinis