chamusca appelgalego natal2017

almeirimmarisanunesmorte

Uma mulher de 33 anos, residente em Fazendas de Almeirim, morreu esta quarta-feira, 5 de dezembro, após ter estado quase cinco meses em coma nos hospitais de Leiria e Santarém.

A família de Marisa Nunes, que deixa dois filhos menores de 11 e 8 anos, exige respostas para aquilo que considera ser um caso de negligência médica grosseira.

O caso começou a 19 de julho, dia em que foi fazer um exame de rotina – um AngioTAC – ao Hospital São Francisco, uma unidade hospitalar privada em Leiria.

Segundo afirmou à Rede Regional o irmão, Manuel Abelhas, foi-lhe administrado um contraste que lhe terá provocado uma reação alérgica.

“Ela teve um choque anafilático e entrou depois em paragem cardiorrespiratória”, explica Manuel Abelhas, que exige ver esclarecido o tipo de socorro que lhe foi prestado no São Francisco, e durante quanto tempo.

Por razões que a família desconhece, Marisa Nunes foi transportada sem acompanhamento médico para o Santo André, o hospital público de Leiria, onde conseguiram que o coração voltasse a bater novamente.

Apesar da reversão da situação, “ela deve ter estado 30 ou 40 minutos em paragem cardiorrespiratória, o que provocou danos irreversíveis no cérebro”, explica o irmão, acrescentando que a vítima entrou em coma, tendo permanecido internada durante um mês na Unidade de Cuidados Intensivos (UCI) do Sto. André.

“Não entendo como é que ela está num hospital e é transferida naquele estado para outro hospital. Se é uma unidade privada de referência, porque não a socorreram mais cedo?”, questiona Manuel Abelhas, que diz nunca ter obtido qualquer justificação por parte do hospital, e já apresentou queixa-crime no Ministério Público.

Após um mês em Leiria, Marisa Nunes foi transferida para o Hospital de Santarém, onde veio a falecer.

O funeral esteve marcado para esta quinta-feira, 6 de dezembro, mas acabou por ser adiado para a realização da autópsia.

Tendo em conta que existe um processo judicial a decorrer, a família, embora indignada, prefere que a causa exata da morte seja apurada.

A Rede Regional solicitou esclarecimentos sobre este caso ao Hospital São Francisco, que não nos fez chegar qualquer resposta às questões colocadas.

Futebol: Jogo Coruchense x Mondenense | Fotos: João Dinis