chamusca carmen theobanner-cortes-e-lendas

tomarsegurancasocial01

Uma mulher residente no concelho de Abrantes deixou de receber o Rendimento Social de Inserção (RSI) aparentemente por causa de um "post" em tom de brincadeira que colocou no Facebook, a dizer que ia viajar.

O Centro Distrital de Segurança Social de Santarém cortou-lhe inesperadamente o chamado Rendimento Mínimo alegando "ausência do país", mas o facto é que a beneficiária - que pede reserva de identidade por temer mais complicações - nunca saiu de Portugal.

A mulher, de 39 anos, sofreu um grave acidente de viação em junho de 2014, tendo sido submetida a duas operações cirúrgicas.

Antes da segunda intervenção, no início de novembro, colocou na sua página pessoal do Facebook a imagem de uma boneca em cima de várias malas de viagem, a dizer que estava a caminho da Suíça.

A mensagem era uma simples brincadeira dirigida aos amigos, ironizando com o facto de não poder aceder à rede social enquanto estivesse hospitalizada.

No final de novembro, sem que nada o fizesse prever, recebeu uma carta da Segurança Social a informá-la que o RSI tinha sido cessado com base no Artigo 22º, ou seja, por "ausência do país".

Segundo a queixosa, o Facebook é única origem possível para esta disparatada confusão.

Para mais, a técnica dos serviços da Segurança Social de Abrantes que instruiu o seu processo do RSI era sua "amiga" na página pessoal e "chegou a colocar «gosto» na referida foto", segundo relatou a beneficiária à Rede Regional.

Segurança Social agrava asneira com exigência "ridícula"

tomarsegurancasocial02Desempregada e com dois filhos menores a seu cargo, a beneficiária - que auferia cerca de 285 euros mensais - não recebe qualquer apoio social desde o passado mês de dezembro.

Após ter sido notificada da decisão, juntou os documentos que tinha do internamento hospitalar e apresentou a sua contestação na Segurança Social.

Além de não reconhecer o lapso, os serviços exigiram à mulher que apresentasse um atestado da Junta de Freguesia da sua área de residência a certificar que nunca se tinha ausentado do país.

"O que é perfeitamente ridículo, pois sabe lá o presidente da Junta se eu andei no estrangeiro ou não", desabafou a queixosa à Rede Regional.

A Rede Regional solicitou esclarecimentos ao Instituto da Segurança Social, em Lisboa, que não nos fez chegar nenhuma resposta substantiva com explicações relativas ao caso em apreço.

Entretanto, a mulher já descreveu o caso no Livro de Reclamações dos serviços da Segurança Social de Tomar.

Comentários   

 
-1 #6 paulo martins 14-03-2016 14:13
todas as razoes e mais algumas sao usadas oara negar o apoio.
agora se anda a usar ( falta de documentos)
ou seja mesmo tendo entregue tudo e estando dentro dos parametros para o devido apoio,eles colocam isso no processo..
o utente nao apresentou todos os documentos.
enfim e uma tristeza.
e enquanto se tenta saber a razao da falta,o prazo finda derivado a ser um prazo de 15 dias uteis.
este e o pais que temos,e infelizmente o pais do qual sou natural.
tenho 47 anos+filho de 15 anos,e vivo em casa de minha mae por nao ter recursos financeiros...
mesmo assim nickles,em contrapartida pessoas que muitas nem sao portuguesas,rec ebem tudo e mais alguma coisa,ate se dao ao luxo de ter carro a porta.
Citar
 
 
+1 #5 Daniela 04-08-2015 11:56
Citando Leandro Silva:
Se for como está aqui descrito na notícia, espero que a técnica da segurança social seja, pelo menos, sujeita a um processo de inquérito e eventualmente a processo deiciplinar. Não é para isto que as pessoas pagam impostos no nosso país...

Aproveito para demonstrar tambem eu a minha tristeza quando uma tecnica diz me : eu sei com quem vives!!! enfim é a [censored] que nos dão que nos põem ricos, há meses que não tenho apoio algum, meses depois de ter descontado 7 anos 180,00euros. estas tecnivcas so olham para os umbigos dela, devia ser despedida essa tecnica... chiva
Citar
 
 
+9 #4 mari 10-01-2015 20:12
Não vejo motivos para cortarem o beneficio da moça!!
Citar
 
 
+27 #3 Maria do Ceu 10-01-2015 13:24
Se a Segurança Social deixasse de massacrar os que cá ficaram, e fizesse uma varredura em toda área de Lisboa e arredores, em especial Odivelas e Setubal, veria que muitos brasileiros e angolanos voltaram há tempos para seus países de origem e continuam a sugar dos contribuintes que cá ficaram e se sacrificam para pagar as contas e impostos que não são poucos.
Os facebooks desta malta está cheios de fotografias com viagens e a vida boa que tem levado às custas do contribuinte que permanece em Portugal.
Citar
 
 
+11 #2 Suzy Pereira 10-01-2015 13:12
Acho irónico que isto aconteça neste momento em que o mundo luta pela liberdade de expressão. Pura demagogia destas entidades que dizem uma coisa e fazem outra. Mas isto também serve para vermos o quanto estamos vulneráveis, é cada um por si.
Citar
 
 
+42 #1 Leandro Silva 10-01-2015 06:57
Se for como está aqui descrito na notícia, espero que a técnica da segurança social seja, pelo menos, sujeita a um processo de inquérito e eventualmente a processo deiciplinar. Não é para isto que as pessoas pagam impostos no nosso país...
Citar
 

Balonismo em Coruche - Fotos João Dinis