chamusca princepezinhocms banner carnaval

Sociedade

old ultima hora

O edifício da desativada discoteca Swing, que também albergou um restaurante, no Entroncamento, está a ser consumido pelas chamas desde as 19h50 desta quarta-feira, 23 de janeiro, altura em que foi dado o alerta de incêndio.

Segundo fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Santarém, às 21h00 o incêndio mantinha-se ativo, estando a ser combatido por 28 operacionais dos bombeiros do Entroncamento, Barquinha e Torres Novas, da PSP e do INEM, apoiados por 11 viaturas.

A mesma fonte refere que não há indicação de feridos nem perigo do incêndio passar a propriedades vizinhas, não havendo igualmente habitações em área contígua.

EM ATUALIZAÇÃO

santaremnabaisincendio

Um jovem de 22 anos vai aguardar julgamento em prisão preventiva por suspeitas de ter dado origem a um incêndio que deflagrou na casa para a qual a namorada iria residir, no passado domingo, 20 de janeiro, na aldeia de Nabais, concelho de Santarém.

O arguido, que já tinha sido detido fora de flagrante delito pela Polícia Judiciária (PJ) de Lisboa na segunda-feira, foi presente a primeiro interrogatório judicial no Tribunal de Santarém durante a manhã desta quarta-feira, 23 de janeiro, de onde saiu para o estabelecimento prisional anexo às instalações da PJ, em Lisboa.

Segundo a Rede Regional conseguiu apurar, o incêndio foi provocado no seguimento de uma briga entre o casal, e destruiu quase todo o recheio da habitação, que era propriedade do senhorio, e parte dos bens pessoais da namorada do suspeito, que estava prestes a fixar residência em Nabais.

Para dar origem às chamas, o suspeito derramou gasolina misturada com óleo em duas janelas da habitação, usando de seguida um isqueiro, segundo um comunicado da Procuradoria da República da Comarca de Santarém.

O Ministério Público (MP) acrescenta ainda que a decisão pela prisão preventiva teve por base “os perigos de continuação da atividade criminosa, em virtude da personalidade demonstrada pelo arguido, e de perturbação grave da ordem e tranquilidade públicas”.

Porém, o mesmo documento acrescenta que o jovem, que tem um historial de problemas do foro psicológico, poderá “ser posteriormente sujeito à medida de coação de obrigação de permanência na habitação, com fiscalização por meio de vigilância eletrónica, logo que apurados e verificados os respetivos requisitos”.

santaremreuniaoelementosCDOS

Os operadores das salas de emergência da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) poderão sofrer uma redução salarial na ordem dos 300 a 400 euros por mês, com a integração nos quadros da função pública.

Isto porque o regime de transição proposto pelo governo não lhes reconhece a atividade profissional específica que exercem, e equipara-os a um simples assistente técnico em início de carreira.

“Trabalhadores que ganham entre os 800 e os 1.050 euros serão colocados na base da carreira, com 683 euros de ordenado, como estipula o regime de regularização dos precários”, explicou à Rede Regional Sérgio Carvalho, presidente do Sindicato Nacional dos Bombeiros Profissionais (SNBP), que reuniu com os elementos dos Centros Distritais de Operações de Socorro (CDOS) de Santarém e Leiria no quartel dos Bombeiros Voluntários de Santarém para conhecer, em detalhe, os casos específicos de cada trabalhador que poderá ser afetado.

Segundo números avançados por Sérgio Carvalho, esta situação afeta cerca de 300 profissionais nos 18 comandos de operações distritais e também no Comando Nacional de Operações de Socorro.

Há casos de elementos que trabalham sem vínculo à função pública “há mais de 20 anos”, disse o responsável, acrescentando que as salas de emergência “não podem ser transformadas num call center qualquer”.

Por uma “questão de inteira justiça”, Sérgio Carvalho disse que, para já, “as portas estão abertas à negociação”, esperando o sindicato que o governo crie uma carreira profissional específica que reconheça a função dos operadores, e que tenha um “valor base de ingresso superior”.

A situação ideal seria o enquadramento na nova carreira da Força Especial de Bombeiros (FEB), segundo Sérgio Carvalho, porque dava aos profissionais com mais anos de experiência a possibilidade de passar para as centrais de comunicação quando deixassem a atuação nos teatros de operações.

Para o SNBP, estes operadores são uma peça fundamental no sistema nacional de proteção civil, pelo que a sua função deve ser reconhecida e valorizada.

“Quando se está a rever toda a estrutura da Proteção Civil, dos bombeiros e do socorro, não se pode fragilizar um sector chave onde estão estes operadores”, afirmou Sérgio Carvalho, explicando que “só em Lisboa, passaram por eles 250 mil chamadas para despacho de meios, entre outros serviços”.

Simulacro da Proteção Civil no Entroncamento - Fotos: José Neves