chamusca appcoruche sabores-tasquinhas

Saúde

mercado tn

A futura Unidade de Saúde Familiar (USF) Cardilium, em Torres Novas, vai ficar instalada no edifício do Mercado Municipal. O acordo de cedência do espaço vai ser assinado entre a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) e a Câmara Municipal de Torres Novas esta sexta-feira, 13 de abril, pelas 15 horas.

O acordo estabelece que a Câmara Municipal de Torres Novas cede, a título gratuito, parte do edifício do Mercado Municipal à ARSLVT, destinando-se esse espaço à instalação da USF Cardilium, o que deverá ocorrer após obras de adaptação (a cargo do município) e equipamento da unidade (a cargo da ARSLVT). 

Ao ocupar parte daquele edifício icónico, próximo de transportes, comércio e serviços, a USF Cardilium irá contribuir para a revitalização e dinamização da vida urbana de Torres Novas e para a obtenção de ganhos em saúde pela população de Assentiz, Brogueira, Chancelaria, Pedrógão, União das Freguesias de São Pedro, Lapas e Ribeira, União das Freguesias de Santa Maria, Salvador e Santiago – cerca de 13.000 pessoas.

A cerimónia, que terá lugar no stand do município na Feira Social de Torres Novas – a decorrer no Palácio dos Desportos daquela cidade, é mais uma etapa da cooperação entre a ARSLVT e a autarquia, que visa oferecer condições dignas a utentes e profissionais de saúde do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Médio Tejo.

Com um total de 238.793 utentes, este ACES tem por missão garantir a prestação de cuidados de saúde à população de 11 concelhos: Abrantes, Alcanena, Constância, Entroncamento, Ferreira do Zêzere, Mação, Ourém, Sardoal, Tomar, Torres Novas e Vila Nova da Barquinha, numa área territorial de 2.706,10 Km².

O ACES Médio Tejo tem em funcionamento 9 Unidades de Saúde Familiar (USF), 10 Unidades de Cuidados de Saúde Personalizados (UCSP) e 7 Unidades de Cuidados na Comunidade (UCC). Tem também uma Unidade de Saúde Pública (USP) e uma Unidade de Recursos Assistenciais Partilhados (URAP).

hospital abrantes

“Se se gastam centenas de milhões a salvar bancos, porque é que não se tem o mesmo tratamento para com o Serviço Nacional de Saúde (SNS)?”, questiona a Coordenadora Distrital de Santarém do Bloco de Esquerda, que exige o reforço de meios humanos e melhores condições de trabalho na unidade de Abrantes do Centro Hospitalar Médio Tejo (CHMT).

Em comunicado, esta estrutura assinala que o “hospital de Abrantes continua a ser noticia pelo descontentamento crescente de profissionais que ali trabalham”, lembrando que “os enfermeiros e assistentes operacionais afectos às urgências apresentarem, em bloco, um pedido de mobilidade para outros serviços”.

Este foi “um facto inédito e um sério aviso à Administração, pois estes enfermeiros são formados para trabalharem especificamente nas urgências e a sua substituição por colegas de outros serviços diminui a qualidade do serviço”, explica o BE, sublinhando que a “situação já se arrasta desde 2012, aquando da reestruturação, levado a cabo pelo governo PSD/CDS, que centrou a urgência médico-cirúrgica” em Abrantes.

Segundo o mesmo comunicado, a situação é caótica, com “utentes em macas e cadeiras de rodas nos corredores das enfermarias”, “falta de privacidade”, “profissionais obrigados a trabalhar em espaços exíguos” e tendo “a seu cargo um numero muito superior de utentes”, num cenário onde as “baixas médicas aumentam” e as “substituições não acontecem sobrecarregando, cada vez mais, quem está nos serviços”.

A coordenadora distrital do BE, no comunicado, manifesta “apoio os profissionais do SNS nas suas reivindicações”, e assinala que “o problema das urgências do Hospital de Abrantes não se resolve só com a expansão da mesma. É preciso dar condições dignas aos profissionais e para isso a contratação de novos profissionais é fundamental”.

tomarTAChospital

O Hospital de Tomar recebeu um novo equipamento de Tomografia Axial Computorizada (TAC) que deverá estar ao serviço dos utentes dentro de um mês, aproximadamente, depois de concluídas as parametrizações do aparelho e a formação aos profissionais que o vão operar.

“Este novo equipamento é um reforço muito importante para o serviço de imagiologia, que será complementado em breve com um novo aparelho para a realização de exames de mamografia”, salientou Isidoro Costa, o diretor deste serviço na unidade de Tomar.

O médico sublinhou ainda “a comodidade para os doentes, que não terão de se deslocar para efetuar este exame e a motivação que representa para os recursos humanos internos”, fazendo votos que “este novo TAC possa, igualmente, servir para atrair mais médicos radiologistas” para o Centro Hospitalar Médio Tejo (CHMT).

O custo total da instalação do TAC ultrapassará os 200 mil euros, tendo em conta que, para além do equipamento, foi necessário proceder à requalificação das infraestruturas do espaço onde está instalado, explicou o presidente do Conselho de Administração do CHMT, Carlos Andrade Costa

Cerimónia de Apresentação Santarém Cup 2018