chamusca appTecfresh17

Politica

 carros eletricos alcanena

O Serviço de Ambiente da Câmara de Alcanena conta desde a semana passada com duas novas viaturas elétricas. Trata-se de dois automóveis ligeiros de mercadorias - tipo furgão - de cinco portas, adquiridos ao abrigo de um programa do Ministério do ambiente, e que tiveram o custo unitário de 22.850 euros (mais IVA).

O programa destina-se à substituição de veículos de serviços urbanos ambientais por veículos elétricos destinados à mesma utilização no âmbito das competências nas áreas de limpeza urbana, de jardins e na prestação de outros serviços ambientais, visando a redução dos consumos e das emissões poluentes e, consequentemente, reduzir os custos diretos e indiretos na sua utilização.

constanciaantoniosmendes

No concelho de Constância, os cabeças de lista da CDU e do PS à Assembleia Municipal partilham o mesmo nome e apelido: António Mendes.

Fora da atividade política local, são amigos há muitos anos, confessam ter grande respeito e admiração um pelo outro, e acreditam que a coincidência não vai, de forma alguma, confundir os eleitores no próximo domingo, 1 de outubro.

“O concelho é pequeno e as pessoas conhecem-nos muito bem. Não é esta coincidência que vai atrapalhar o voto”, afirma à Rede Regional o cabeça de lista da CDU.

“Já concorremos a várias eleições, e já ocupámos outros cargos, pelo que os eleitores do concelho sabem bem quem somos”, completa o homónimo, candidato pelo PS.

Figuras conhecidas da política local

Ferroviário de profissão, António Manuel dos Santos Mendes (CDU) foi presidente da Câmara de Constância durante 23 anos, de 1986 a 2009.

Hoje, com 67 anos, candidata-se ao terceiro mandato consecutivo na liderança da Assembleia Municipal (foi eleito nas autárquicas de 2009 e 2013), sendo um dos autarcas mais emblemáticos do distrito de Santarém.

O major paraquedista António Luís Fernandes Mendes (PS), de 63 anos, iniciou a sua atividade política na Assembleia de Freguesia da sede de concelho, em 2000, após passar à reforma da carreira militar.

Já leva dois mandatos não consecutivos na Câmara como vereador; num deles, de 2005 a 2009, o seu homónimo era ainda presidente da autarquia.

O que os aproxima e o que os separa

No que se refere aos hobbies fora da atividade política, os tempos livres de António Mendes da CDU são dedicados maioritariamente ao atletismo, pois não dispensa as suas corridas e caminhadas diárias na zona de Santa Margarida, onde reside.

Já o seu homónimo é juiz internacional em provas de paraquedismo, além de presidente da Assembleia Geral da Federação Portuguesa de Paraquedismo.

O socialista António Mendes tem também uma pequena produção caseira de vinho e azeite, nuns terrenos herdados que vai amanhando.

“Nunca vendi nada, tudo o que produzo é para consumo da família ou para dar aos amigos”, explica.

“E olhe que o vinho é bastante bom”, garante o homónimo da CDU.

Além da amizade, têm também em comum os gostos culinários, pois ambos gostam de um bom peixe e da cozinha tradicional portuguesa.

A “coisa” já torce quando se chega ao futebol, pois o Mendes do PS é do Sporting, e o Mendes da CDU torce fervorosamente pelo Benfica.

Mas, mesmo com temperamentos diferentes, nunca a bola ou a política local foram motivo de zanga entre eles.

A decisão da Câmara Municipal de Benavente de suspender o Plano Diretor Municipal (PDM) para permitir construções por parte de empresas foi considerada ineficaz pelo Tribunal Administrativo e Fiscal (TAF)de Leiria.

A decisão do TAF engloba as deliberações tomadas pela autarquia em julho e agosto de 2016, quando aprovou a suspensão parcial do PDM de Benavente para a construção de um pavilhão da empresa Silvex, deferiu a instalação de uma unidade industrial para produção de misturas betuminosas da Mota Engil e aprovou uma a alteração à delimitação da Rede Ecológica Nacional (REN) para a legalização das instalações da sociedade Casa Agrícola da Quinta da Foz.

O tribunal considerou que a Câmara de Benavente praticou atos que, não obstante, não se inserirem no procedimento de revisão do PDM, nem darem execução a essa revisão, "consubstanciam, de facto, alterações parciais ao âmbito de aplicação" do PDM.

Citado pela agência Lusa, o presidente da Câmara de Benavente, Carlos Coutinho, disse que vai respeitar a decisão do tribunal, apesar de não concordar com ela. "O que está em causa são procedimentos levados a efeito pela Câmara Municipal em situações que não têm a ver com a revisão do PDM", defendeu o autarca.

A associação ambientalista Quercus também interpôs uma providência cautelar contra a revisão do Plano Diretor Municipal de Benavente, o que levou à suspensão da publicação do novo PDM. O início do julgamento desta providência cautelar está marcado para 28 de setembro.

Futebol: Jogo Coruchense x Mondenense | Fotos: João Dinis