chamusca baguncadabanner tasquinhas2017

Politica

Um funcionário da Câmara do Cartaxo e outro habitante do concelho com conhecimentos informáticos são suspeitos da autoria da página Cartaxo Leaks, criada no facebook e entretanto desativada, que acusava o presidente da autarquia, Pedro Magalhães Ribeiro, e o seu chefe de gabinete, Vasco Casimiro, de várias irregularidades, entre as quais o favorecimento pessoal.

Na referida página, que motivou uma queixa por difamação de Pedro Ribeiro e Vasco Casimiro à Polícia Judiciária, um post publicado a 9 de janeiro apresentava uma imagem montada, que retratava um alegado diálogo por mensagem privada no facebook entre o presidente e o seu chefe de gabinete, em que o autarca dava conta que ambos iriam ganhar dinheiro com o negócio com a empresa Cartágua, que gere o abastecimento de água no concelho.

Menos de dois meses depois, Pedro Ribeiro garantiu à Rede Regional que a PJ já está na posse de todos os dados e que os autores já estão identificados, aguardando agora que o processo siga os seus trâmites normais.

O autarca assume que vai levar o caso até às últimas consequências porque quem criou a página colocou em causa o seu bom nome e o de Vasco Casimiro e entende que esta situação pode ser um exemplo para evitar situações futuras.

MONTAGEM DO "DIÁLOGO" ENTRE PEDRO RIBEIRO E VASCO CASISMIRO REPRODUZIDO NA PÁGINA

tomarPSvisitagualdimpais

Os deputados do PS eleitos pelo círculo de Santarém entregaram uma Pergunta na Assembleia da República onde questionam o Ministério da Educação sobre a cobertura de amianto na escola Gualdim Pais, em Tomar, considerando ser urgente a sua remoção.

A questão é levantada na sequência de uma visita de Hugo Costa, Idália Serrão e António Gameiro ao espaço, no passado dia 20 de fevereiro, onde “ficou evidente que a escola necessita de obras de requalificação e manutenção, e concretização da remoção de várias coberturas em amianto”, segundo se lê no documento.

Os eleitos socialistas recordam que a utilização de coberturas em amianto está proibida por lei, tendo em conta os riscos que comporta para a saúde, e questionam se o Ministério da Educação “tem conhecimento do estado de degradação e da necessidade de requalificação” da Gualdim Pais.

Os deputados perguntam ainda “para quando estão previstas a obras de a remoção de materiais com amianto do edificado” e pedem informações sobre os restantes estabelecimento escolares do distrito onde ainda existem coberturas com esta substância.

Recorde-se que, em junho de 2016, o Partido Ecologista “Os Verdes” entregou no Parlamento uma Pergunta genericamente semelhante à que os deputados do PS fizeram agora chegar às mãos do ministro da Educação, não sendo conhecidas, até ao momento, quaisquer diligências do ministério para resolver o problema.

hospital cuf transito

A Câmara de Santarém aprovou esta segunda-feira, 27 de fevereiro, por unanimidade, a implementação de sentido único (descendente) na rua Zeferino Silva, que passa em frente ao Hospital CUF Santarém, em São Domingos.

Para compensar o corte no sentido ascendente, a autarquia decidiu que o trânsito na rua de Moçambique, praticamente paralela à Zeferino Silva, mas que passa nas traseiras da unidade de saúde, passará também a funcionar em sentido único, mas neste caso, ascendente (ver infografia).

Desta forma a autarquia acredita que a circulação se irá realizar em condições de segurança, uma vez que não existirá cruzamento entre veículos, permitindo também manter-se o estacionamento ao longo do arruamento, na zona frente ao hospital, outro problema que tem complicado a circulação na zona e que assim fica pelo menos minimizado.

Recorde-se que os problemas naquela zona iniciaram-se pouco depois da abertura do então Hospital Privado de Santarém, mas a situação agravou-se há uns meses quando a direção do Hospital CUF alterou significativamente o modelo de parqueamento no interior do lote, passando a cobrar taxas pela sua utilização, uma medida que agravou as condições de insegurança e de mau estacionamento nas vias públicas envolventes, uma vez que muitos utentes se recusam a pagar parque, estacionando nos passeios ou na faixa de rodagem.

A solução agora aprovada irá ter um período experimental de seis meses e irá incluir ainda o reforço da sinalização de proibição de estacionamento em frente aos locais de acesso a propriedades, admitindo a autarquia avançar para a pintura de linha contínua amarela na frente dos acessos existentes, reforçando ainda mais a proibição de estacionar.

Carnaval Samora Correia - Fotos João Dinis

×