chamusca appmicromineiro keepcalm

Politica

tejopoluicao

Os deputados do PSD eleitos pelo círculo de Santarém querem que o Ministério do Ambiente indique quais os pontos de recolha de amostragem da poluição nas águas no rio Tejo, a frequência da recolha, e os parâmetros analisados no âmbito da fiscalização.

O requerimento entregue na Assembleia da República pelos social-democratas surge na sequência da denuncia do movimento proTEJO em relação à Agência Portuguesa do Ambiente (APA), que estará, alegadamente, a recolher amostras em locais estranhos e que não são verdadeiramente representativos da poluição que afeta o rio.

Além do caso do técnico da APA já exposto pela Rede Regional (LER AQUI), os deputados do PSD fazem eco da denuncia de um investigador do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE), Filipe Ribeira, que diz ter testemunhado uma recolha efetuada na praia fluvial de Ortiga, concelho de Mação, onde desagua uma ribeira "limpíssima", quando o curso principal do Tejo passa junto à barragem de Belver, local onde deveriam ser recolhidas as amostras.

Uma vez que as denuncias não mereceram qualquer desmentido por parte da APA, “tal pode significar que a realidade das análises da água do rio pode estar enviesada à partida pelo próprio processo de fiscalização”, sublinham os eleitos do PSD, para quem “uma monitorização ambiental competente e séria é essencial não só para conhecer melhor a realidade, como também as ameaças a que a mesma pode estar sujeita”.

 “A verdade é que a situação aparente do curso de água do Tejo, verificável a «olho nu», parece ser sempre pior do que os dados das análises divulgadas permitem aferir”, concluem ainda os deputados Duarte Marques, Nuno Serra e Teresa Leal Coelho.

santaremCETAverdes

O Partido Ecologista “Os Verdes” vai realizar uma sessão de esclarecimento sobre as implicações futuras do Acordo Económico e Comercial Global (CETA) na sede do partido em Santarém, na próxima segunda-feira, 13 de fevereiro, a partir das 21 horas.

Este debate, que tem como base o facto deste acordo “poder vir a prejudicar em muito a produção local e nacional” numa região forte no sector agroalimentar, como é o caso do Ribatejo, conta com a participação do deputado José Luís Ferreira e da dirigente nacional os “Verdes”, Cláudia Madeira.

Segundo uma nota do partido ecologista, o CETA “pressupõe um conjunto de medidas que poderão pôr em causa os serviços públicos, atribuindo um poder ilimitado às empresas e nivelando as normas sociais e ambientais por baixo, atacando a capacidade de regulação dos direitos dos cidadãos por parte dos governos”.

O “Comprehensive Economic and Trade Agreement”, na sua expressão original, é um acordo económico e comercial global que começou a ser negociado entre a União Europeia e o Canadá em 2009, tendo a sua versão final sido tornada pública pela Comissão Europeia apenas em Fevereiro de 2016.

pedro pereira ps benavente

Pedro Simões Pereira foi escolhido esta quarta-feira, 8 de fevereiro, pelo secretariado e pela comissão política concelhia do Partido Socialista para ser o cabeça de lista do partido à Câmara Municipal de Benavente.

Técnico Superior na autarquia benaventense, Pedro Simões Pereira, de 39 anos, é natural de Samora Correia e licenciado em Administração Autárquica.

Presidente da Comissão Política Concelhia e membro da Comissão Nacional do PS, Pedro Pereira é também presidente da Mesa da Assembleia Geral da Sociedade Filarmónica União Samorense e eleito na Assembleia Municipal de Benavente e na Assembleia Intermunicipal da Comunidade Intermunicipal da Lezíria do Tejo desde 2013​.

Foi atleta das camadas jovens do Samora Correia e Sporting Clube de Portugal, tendo também treinado as camadas jovens de futebol do Grupo Desportivo de Samora Correia. Ainda na área desportiva, foi repórter e coordenador do desporto na Rádio Iris.

Desert Challenge 2017