chamusca appcoruche sabores-tasquinhas

barragem belver

O ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, está satisfeito com a recuperação da qualidade da água do Tejo junto a Abrantes, que considera que se ficou a dever às medidas adotadas nos últimos dez dias.

Na Golegã, onde esta quarta-feira, 7 de fevereiro, presidiu à cerimónia de assinatura de 26 contratos para a Desobstrução, a Regularização Fluvial e o Controlo de Cheias em vários pontos do país, a maior parte dos quais respeitantes a infraestruturas existentes nas margens do Tejo, o governante anunciou ainda o reforço da remoção dos sedimentos na barragem do Fratel.

“Neste momento temos uma qualidade da água a caminho de boa, já dentro dos padrões normais”, disse João Matos Fernandes, acrescentando que ainda há muito a fazer para que a situação não regrida.

Quem também faz um balanço positivo às medidas tomadas para proteger o rio é o Movimento pelo Tejo - proTEJO – que hoje mesmo afirmou estarem reunidas as condições para se resolver o problema da poluição no Tejo.

“Pensamos estarem agora criadas as condições para resolver definitivamente o problema da poluição no rio Tejo e seus afluentes”, diz um comunicado do movimento ambientalista, fazendo depender essa melhoria do Governo e da Assembleia da República, que terão de aprovar “a legislação necessária para melhorar a eficácia da fiscalização, nomeadamente, no que respeita à legislação relacionada com a obtenção de meios de prova”.

Os ambientalistas defendem ainda que a Celtejo "assuma a reparação dos danos ambientais e económicos causados pela deterioração causada ao rio Tejo” e exigem que a empresa "retire a ação interposta contra Arlindo Consolado Marques", a quem reclama o pagamento de uma indemnização de 250 mil euros.

Cerimónia de Apresentação Santarém Cup 2018