chamusca appTecfresh17

ourempaulofonsecadividas

O atual presidente da Câmara Municipal de Ourém, Paulo Fonseca, garante ter condições legais para concorrer a um novo mandato na autarquia, o que não aconteceria caso ainda estivesse declarada a sua insolvência pessoal por dividas que rondam os 4,6 milhões de euros.

“A situação não se coloca, como se verificará no dia 25 de Agosto, dia em que serão afixadas as listas definitivas”, afirma o autarca socialista na sua página pessoal do Facebook, naquela que é sua reação pública à ação de impugnação da candidatura do PS pedida pela coligação Ourém Sempre, que junta o PSD e o CDS.

Segundo uma nota de imprensa desta coligação, o pedido de impugnação é fundamentado por uma certidão "que declara que Paulo Fonseca se encontra insolvente, com decisão transitada em julgado, e que o mesmo processo de insolvência não se encontra encerrado", emitida pelo Tribunal de Santarém a 8 de agosto.

"Desconhece-se sentença que o tenha reabilitado", acrescenta o movimento liderado por Luís Albuquerque, cabeça de lista pelo PSD / CDS, lembrando que a Lei Eleitoral dos Órgãos das Autarquias Locais considera "inelegíveis para os órgãos das autarquias locais os falidos e insolventes".

“Já era previsível que a coligação PSD/CDS viesse tentar impedir a candidatura do PS”, responde o visado na sua página do Facebook, para quem “chama-se a isso tentar ganhar na secretaria aquilo que lhes parece impossível de acontecer na eleição, em face das sondagens e da evidente simpatia dos cidadãos do concelho pelo candidato Paulo Fonseca e pelos candidatos do PS”.

“Lamentamos que as eleições autárquicas não sejam disputadas num ambiente de balanço do trabalho de cada um e na discussão de propostas para a resolução dos problemas do concelho e, ao contrário, alguns optem por confundir as pessoas com golpes de secretaria”, acrescenta ainda Paulo Fonseca.

Recorde-se que o atual presidente da Câmara de Ourém, que foi também Governador Civil de Santarém, foi considerado insolvente pelo Tribunal de Ourém, na sequência de um processo por dívida de 350 mil euros, decisão que foi confirmada pelo Tribunal Constitucional em novembro de 2016.

Futebol: Jogo Coruchense x Mondenense | Fotos: João Dinis