chamusca appelgalego natal2017

helder travado

Hélder Travado, histórico militante comunista do Cartaxo que foi presidente da Comissão Administrativa do concelho, entre 1974 e 76, sendo um dos responsáveis pelo processo de transição para o regime democrático naquele município, abrindo caminho às primeiras eleições autárquicas livres, faleceu esta quinta-feira, 20 de abril, aos 87 anos, vítima de doença.

Natural do Cartaxo, onde nasceu a 20 de setembro de 1929, cumpriu o serviço militar em Mafra e em Lisboa e foi na capital que começou a cimentar uma consciência cívica das realidades e contrastes da sociedade em que vivia.

Em maio de 1954 partiu para Moçambique como militar, adquirindo nos dois anos seguintes a formação de topógrafo. Regressou a Lisboa em 1968, licenciou-se em Geografia e abraçou a carreira de docente, tendo posteriormente sido vereador da CDU na Câmara do Cartaxo de 1989 e 1996.

O presidente da autarquia, Pedro Magalhães Ribeiro, descreve Hélder travado como “um homem profundamente de causas, generoso, fraterno, que semeou entre nós os valores da liberdade e da democracia. Um homem de letras, com gosto pela poesia, cultivou sempre laços de afecto com todos aqueles com quem conviveu”.

“São muitos os testemunhos na Câmara Municipal dessa cultura de abertura e de proximidade às pessoas”, refere Pedro Ribeiro, acrescentando que decretou três dias de luto municipal.
O corpo de Hélder Travado estará em câmara ardente na sede do município, a partir das 11h00 de amanhã, dia 21 de abril, sexta-feira, de onde seguirá, no dia 22 de abril, sábado, às 13h00, em cortejo fúnebre para o Cemitério da Póvoa de Santa Iria.

A saída do corpo no Sábado será precedida, pelas 12h, de um momento solene de homenagem no Salão Nobre da Câmara Municipal do Cartaxo.

Futebol: Jogo Coruchense x Mondenense | Fotos: João Dinis