chamusca apptagus

ourem castelo

A Câmara Municipal de Ourém aprovou esta terça-feira, 18 de abril, por maioria, o relatório de gestão da atividade municipal e a prestação de contas referentes ao ano de 2016, que apresentam uma taxa de execução da receita de 99,9%.

Em nota de imprensa, o presidente da autarquia, Paulo Fonseca, manifesta o seu orgulho nas contas de 2016, salientando o aumento dos investimentos nas freguesias, a consolidação da redução do endividamento do município, que apresenta hoje uma margem de 27,9 milhões de euros face ao limite total definido pela Lei.

Paulo Fonseca salienta ainda que "tal redução do endividamento não se consegue à custa de algum pedido de esforço aos cidadãos, porquanto, por exemplo o IMI, apresenta uma redução de cerca de 300.000 euros.

O resultado orçamental corrente é positivo em 7,9 milhões de euros, o que significa a obtenção de uma poupança corrente neste valor, ao mesmo tempo que o saldo de gerência é positivo em 4,2 milhões de euros. Já o prazo médio de pagamento aos fornecedores baixou de 37,5 dias para 25 dias.

No mesmo documento, pode constatar-se que a dívida do município baixa 15,7 %, revelando uma dívida histórica mínima desde 2002.

"O tempo que vivemos em Portugal, e Ourém não é excepção, precisa de coesão para fortalecer. Temos um novo pacote de fundos Europeus a iniciar a sua execução e temos capacidade para investimento em condições ímpares que decorrem do rigor acima evidenciado. Há um mundo de oportunidades antes desconhecidas que precisamos aproveitar. Os agentes políticos e sociais devem convergir para estabelecer novas metas de ambição. A população do concelho merece-o e necessita, como nunca, da nossa capacidade para nos juntarmos ao invés de nos dividirmos", completa Paulo Fonseca.

XTerra Golegã - Fotos Carlos Simões