chamusca appTecfresh17

ARMÉNIO GOMES, Economista

A 14 de Maio de 1265 morreu em Santarém São Frei Gil, um Santo da nossa terra que foi frade dominicano, médico, taumaturgo, teólogo e pregador português dos séculos XII e XIII.

"À esquerda o imenso convento do Sítio ou de Jesus, logo o das Donas, depois o de S. Domingos, célebre pelo jazigo do nosso Fausto português – seja dito sem irreverência à memória de S. Frei Gil que, é verdade, veio a ser grande santo, mas que primeiro foi grande bruxo." Assim descreve Almeida Garrett, São Frei Gil de Santarém, nas Viagens na minha terra.

Por Santarém, passam os caminhos de Santiago de Compostela e para os peregrinos era obrigatório a passagem pelo Convento de São Domingos onde se encontrava o túmulo de S. Frei Gil. Segundo os relatos (Cf. Aires Nascimento, 1989) muitos eram os milagres que ocorriam por sua interceção desde a cura de cancros, hérnias entre outras enfermidades.

Pela sua conversão e pelo seu misticismo, tornou-se uma referência no campo intelectual dominicano e português. Muitos foram os autores que escreveram sobre ele (p.ex. Eça de Queirós ou Teófilo Braga), o compositor Luís de Freitas Branco compôs as “tentações de São Frei Gil”. Existe uma fonte cultural e religiosa muito grande que se pode explorar em torno do Santo de Santarém. Mas infelizmente, parece ter também caído no esquecimento culturalmente da nossa cidade na última década.

Quando a Câmara Municipal decidiu mandar fazer uma estátua a São Paulo (que nada tem a haver com Santarém) e esqueceu-se do São Frei Gil, ilustríssimo cidadão de Santarém apenas demonstrou uma profunda ignorância cultural.

Sob iniciativa do Prior da Sé, no dia 14 de Maio celebrou-se a Festa de S. Frei Gil de Santarém e na Eucaristia foram veneradas as relíquias do Santo da cidade.

Mas para quando a Câmara terá a iniciativa de juntar a Igreja Diocesana, o Centro de Investigação Prof. Veríssimo Serrão e promover jornadas dedicadas ao Fausto da cultura portuguesa, trazendo à cidade a grande família dominicana criando um referencial cultural e religioso que poderá atrair mais peregrinos e turistas à cidade?

 

ARMÉNIO GOMES,

Economista

Futebol: Jogo Coruchense x Mondenense | Fotos: João Dinis