chamusca bibliotecatecfresh2018 slide

Educação

chamusca transformers

O Edifício de São Francisco, na Chamusca, recebeu nos dias 7 e 8 de setembro o Movimento Transformers, uma ação de formação criada com o objetivo de formar e capacitar os agentes locais através de metodologias de educação não formal.

A iniciativa, teve uma componente de formação e aprendizagem prática, partilha e planeamento do ano letivo, onde o mais importante foi a perceção de que é fundamental trabalhar em conjunto em prol da resolução dos problemas sociais que se passam dentro e fora das salas de aula. Estiveram presentes 40 participantes, incluindo mentores de atividades extracurriculares e técnicos dos gabinetes da juventude, educação e desporto da Câmara Municipal da Chamusca.

A vereadora com o pelouro da Educação na autarquia chamusquense, Cláudia Moreira, refere que o feedback foi tão positivo que o município está já a planear um segundo momento de interação para se trabalharem ainda mais as relações dos participantes, descobrir os seus super poderes para os colocar ao serviço da comunidade.

O Movimento Transformers é um movimento nacional de voluntariado recomendado pelo Secretário de Estado da Juventude e do Desporto, que tem como missão aumentar os índices de envolvimento cívico e social das comunidades através daquilo que as pessoas mais gostam de fazer.

salvaterracentroescolarforos

O centro escolar de Foros de Salvaterra e Várzea Fresca, no concelho de Salvaterra de Magos, vai ser inaugurado no próximo domingo, 16 de setembro, às 10h15, numa cerimónia que vai juntar os responsáveis dos órgãos autárquicos do concelho, convidados, alunos, professores, encarregados de educação e população em geral.

Este novo equipamento vai receber os alunos das escolas básicas das Cancelas, Estanqueiro e Santa Maria, e do jardim-de-infância do Estanqueiro, num investimento que ascendeu aos 2,75 milhões de euros.

O centro escolar contou com um financiamento de fundos comunitários no âmbito do Portugal 2020 no montante de 1,5 milhões de euros, tendo o restante sido suportado pela Câmara de Salvaterra, com a aquisição do terreno, a obra e os arranjos no exterior.

Segundo uma nota de imprensa da autarquia, a cerimónia de inauguração “arranca pelas 10h15m, com a receção às entidades convidadas e com apontamento musical pelo acordeonista Flávio Bolieiro, seguindo-se a cerimónia de inauguração com descerramento de placa evocativa”.

Haverá depois uma visita às instalações e uma sessão solene na sala polivalente com um apontamento musical a cargo de Leonor Fernandes e Vicente Sousa, da Academia “O Batuque”, e uma atuação do Rancho Folclórico Regional Infantil de Foros de Salvaterra.

 ips moutao potes pacheco

JOSÉ MIRA POTES (AO CENTRO) E OS VICE-PRESIDENTES JOÃO MOUTÃO E ANTÓNIO BORDALO PACHECO

Um instituto renovado, ao serviço da região e aberto ao exterior. É assim que o novo presidente do Instituto Politécnico de Santarém (IPS), José Mira Potes, deseja o futuro imediato da instituição que, em sua opinião, tem de se envolver mais diretamento nos planos e projetos de interesse regional.

Cerca de 3 meses depois de ter ganho as eleições, realizadas a 19 de junho, José Mira Potes tomou posse esta segunda-feira,10 de setembro, juntamente com os vice-presidentes António Bordalo Pacheco (ex-diretor da Escola Superior de Educação) e João Moutão (que deixa a direção da Escola Superior de Desporto de Rio Maior).

Numa cerimónia realizada no auditório da Escola Superior Agrária, que dirigiu nos últimos 4 anos, Mira Potes substitui no cargo Jorge Justino, que liderou o Politécnico de Santarém desde 1996 até este ano, à exceção do mandato de 2006 a 2010.

ips potes justinoElogiando a “persistência e dedicação” do seu antecessor, José Mira Potes defendeu o IPS como uma instituição fundamental para desenvolver e corrigir as assimetrias de vária ordem que afetam a região.

Olhando com preocupação para os “efeitos demográficos” que se aproximam, com diminuição de alunos e da própria população do país, o novo diretor diz que o IPS tem de se adaptar e aproximar do mercado de trabalho e do tecido empresarial.

“Precisamos de um instituto politécnico proativo, empenhado e dinâmico (…) parceiro na qualificação dos jovens e da população ativa”, defendeu.

José Mira Potes destacou ainda o facto de existir uma consonância de objetivos entre as cinco escolas que integram o IPS (Agrária, Desporto, Educação, Gestão e Saúde) e a capacidade de gerar consensos amplos que permitiram ultrapassar divergências pontuais.

A nível interno, o novo diretor defendeu a necessidade de modernização e melhoria da eficiência organizacional, contando para isso com a nova administradora da instituição, Teresa Salvador Laureano, ex-administradora no ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa.

Partida em Coruche do Grande Prémio de Ciclismo Abimota - Fotos: João Dinis