chamusca natalmicromineiro slide

santaremescolaleoes

A Autoridade para as Condições no Trabalho (ACT) embargou uma obra que tinha começado poucas horas antes na Escola dos Leões, em Santarém, na passada segunda-feira, depois de uma denuncia a dar conta que a empresa responsável estava a retirar placas de amianto do telhado.

Carlos Marçal, o presidente da União de Freguesias da Cidade (entidade que mandou realizar a obra) explicou à Rede Regional que a situação foi provocada pelo facto da empresa contratada não ter comunicado ao ACT o início da execução da empreitada.

“Trata-se de uma empresa certificada para efetuar este tipo de trabalhos, mas efetivamente não comunicou a quem de direito que ia começar com a obra”, explicou o presidente da União de Freguesias, acrescentando que a empreitada previa a remoção de “cerca de 15 metros quadrados de placas de amianto”, além de outras intervenções nos edifícios da escola.

Apesar do embargo, o funcionamento das atividades letivas na Escola dos Leões não ficou “em nada afetado”, garante Carlos Marçal.

“Neste momento, chove apenas na zona onde os trabalhos tinham começado, que é uma arrecadação antiga, e que não causa qualquer perturbação nas salas de aula”, explicou o autarca.

A zona onde começaram a decorrer os trabalhos estava também devidamente isolada das crianças que frequentam a escola, garante Carlos Marçal.

Simulacro da Proteção Civil no Entroncamento - Fotos: José Neves