chamusca appmicromineiro keepcalm

Economia

alcanenatransporteapedido

A Câmara Municipal de Alcanena vai implementar no concelho o serviço de transportes a pedido, uma solução de mobilidade para territórios de baixa densidade populacional que tem vindo a ser desenvolvido pela Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo (CIMT).

A primeira reunião para a concretização deste projeto contou com a presença de Miguel Pombeiro, o secretário executivo da CIMT, além de vários responsáveis dos órgãos autárquicos do concelho e representantes das escolas, centros de saúde, bombeiros e taxistas com alvará.

Segundo uma nota de imprensa da autarquia, o serviço de transportes a pedido deverá estar em funcionamento no próximo mês de abril.

À semelhança do transporte coletivo regular, este serviço tem circuitos, paragens e horários definidos, mas distingue-se porque pressupõem que o cliente desencadeie a viagem, contactando previamente uma central de reservas.

“Deste modo, as viaturas só efetuam os percursos se, antecipadamente, o serviço tiver sido solicitado e só vão às paragens que tiverem reservas”, explica a mesma nota.

barquinhaaeroportotejo

O Atelier Modo, um escritório de arquitetos com sede no Sardoal, desenhou um esboço daquilo que poderia vir a ser o “Aeroporto do Tejo”, tendo por base o facto dos autarcas do Médio Tejo defenderem a reabertura da Base Militar Aérea de Tancos para utilização civil e comercial.

A ideia é apresentada na plataforma modoarquitectos.blogspot.pt, um espaço de “ideias e diálogos”, que a empresa pretende que seja um sítio de “valorização do pensamento através da arquitetura”.

O aeroporto civil e de transporte de mercadorias em Tancos “seria uma forma inevitável e óbvia de alavancar a dinâmica económica de toda região centro do país, especialmente no Médio Tejo ”, mas a implantação desta infraestrutura na Barquinha representa sobretudo, para os arquitetos que a colocaram no papel, Rui Serrano, Pedro Costa e Ana Barral, “a redefinição de um território mais vasto”.

“A centralidade geográfica de Tancos (fica apenas a 40 minutos do centro geodésico de Portugal, em Vila de Rei), mas especialmente a proximidade com o nó ferroviário central do Entroncamento, com o suporte relevante da rede de autoestradas e itinerários principais (A13 e A23, sendo que a A23 fica apenas a 200 metros), mas também a plataforma logística em Riachos”, são condições que estes arquitetos consideram “privilegiadas e auxiliadoras” da fixação do aeroporto em Tancos.

pagar

A Câmara Municipal de Tomar é pior autarquia do distrito de Santarém a pagar aos seus fornecedores. Em média, a 31 de dezembro de 2016, a autarquia nabantina demorava 634 dias a pagar as suas contas, sendo o quinto município do país com maior demora no pagamento.

Os dados são da Direção Geral das Autarquias Locais (DGAL), que publica trimestralmente a lista dos municípios com prazo médio de pagamentos (PMP) superior a 60 dias, e, neste caso, referem-se às dívidas a no final do 4º trimestre de 2016.

O caso de Tomar é o mais grave na região, tendo praticamente duplicado o seu PMP a fornecedores no último ano, mas Entroncamento (+ 59 dias) e Alpiarça (+ 14 dias), também pioraram o seu ranking neste aspeto.

Em sentido contrário, e apesar de manterem prazos médios de pagamento elevados, o Cartaxo reduziu o PMP em cerca de mês e meio (45 dias) e a Golegã em 5 dias.

A últimaautarquia neste ranking é a de Santarém, que melhorou o seu PMP em 22 dias mas ainda paga, em média, a cerca de 75 dias.

A DGAL esclarece ainda que há vários municípios com informação em falta, entre os quais Sardoal eTorres Novas, ambos no distrito de Santarém.

pmp 2016

Desert Challenge 2017