chamusca carmen theobanner-cortes-e-lendas

Economia

salvaterramesenguiabalanco

Ao chegar às 6,5 toneladas, o certame gastronómico mês da enguia bateu o recorde dos anos anteriores, no que se refere ao consumo deste peixe do rio, e que rondava as cinco toneladas.

Os números foram divulgados pela Câmara Municipal de Salvaterra de Magos, que fez o levantamento da quantidade de enguias servidas nos 19 restaurantes aderentes a esta 21ª edição, que decorreu entre os dias 1 de março e 2 de abril.

“Nunca os restaurantes disseram tão bem do número de visitantes que tiveram”, afirmou o presidente da Câmara de Salvaterra, Hélder Esménio, acrescentando que as casas aderentes, espalhadas por todas as freguesias do concelho, “não tiveram mãos a medir, nomeadamente aos fins-de-semana, quando se registaram grandes picos de afluência”.

Enguia frita com arroz de feijão, ensopado ou caldeirada foram os pratos favoritos, mas algumas inovações, como a espetada de enguias, as enguias à lagareiro ou grelhadas, também conquistaram adeptos.

Em jeito de balanço, o autarca recordou ainda que o certame não se fica somente pela gastronomia, tendo sido complementado com um conjunto de atividades económicas e culturais que trouxeram milhares de visitantes ao concelho.

Como exemplo, Hélder Esménio aponta a feira de artesanato e produtos regionais, que juntou cerca de uma centena de artesãos, e as cinco exposições patentes em diferentes espaços municipais, casos da Falcoaria Real, a casa típica avieira e o Museu “Escaroupim e o Rio”.

“Estamos muito satisfeitos com esta organização, com a participação dos restaurantes, das associações, dos artesãos e dos produtores locais e regionais e esperamos que a edição do ano que vem possa, pelo menos, igualar a edição deste ano”, concluiu o autarca.

nersant arbitragem

AAssociação Empresarial da Região de Santarém (Nersant), realizou no dia 29 de março, na Startup Santarém, um seminário em parceria com a Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa (CCIP), com o objetivo de promover a arbitragem enquanto meio alternativo de resolução de litígios para responder a necessidades sentidas nos tribunais, nomeadamente no prazo de tomada de decisão.

O Centro de Arbitragem Comercial foi apresentado pelo seu Secretário-Geral, António Vieira da Silva, que explicou que este instrumento tem como objeto e funções promover e difundir a resolução de litígios por via arbitral ou por meios alternativos de resolução de litígios, através da organização e do patrocínio de ações de divulgação, estudo e aprofundamento de matérias relacionadas com a litigiosidade de natureza económica, administrar arbitragens institucionalizadas e processos alternativos de resolução de litígios em matérias de carácter económico, público ou privado, internas ou internacionais e, por fim, prestar serviços conexos com a administração de arbitragens.

O tipo de litígios arbitráveis, os diversos tipos de arbitragem (arbitragem voluntária e arbitragem necessária; arbitragem institucional e arbitragem ad hoc), a forma de recorrer à arbitragem: a convenção de arbitragem, os pilares da arbitragem e o Regulamento de Arbitragem do Centro de Arbitragem Comercial, bem como os seus custos e a forma de mediação, foram outros dos aspetos apresentados e discutidos na sessão promovida pela NERSANT.

Na mesma sessão, a CCIP, através do seu Diretor de Assuntos Europeus e Certificados de Origem, João Paes Cabral, apresentou ainda alguns documentos de apoio à exportação que podem ser solicitados junto desta Câmara de Comércio.

aguas ribatejo gestao

A empresa intermunicipal Águas do Ribatejo (AR), que gere o saneamento e abastecimento de água nos concelhos de Almeirim, Alpiarça, Benavente, Chamusca, Coruche, Salvaterra de Magos e Torres Novas, terminou o ano 2016 com mais clientes, contrariando a tendência dos últimos anos, e com um aumento de 3,8 % do resultado líquido, atingindo 1,592 milhões de euros.

“O ano de 2016 representou o início de um novo ciclo na vida da empresa. Após a conclusão dos grandes projetos de infraestruturação executados pela empresa, o foco passou a estar muito mais centrado nos aspetos relacionados com a eficiência”, explica o presidente do Conselho de Administração da AR, Francisco Oliveira.

Ainda assim, no decurso do ano de 2016, teve início a execução de várias Operações apoiadas pelo POSEUR, destacando-se as referentes à intervenção na ETAR de Almeirim / Alpiarça, à construção dos subsistemas de saneamento de Chancelaria / Pedrógão e Lapas / Ribeira Branca, ambos no Concelho de Torres Novas e às remodelações das ETAR da Quinta do Papelão e da Murteira, ambas no concelho de Benavente.

Com o investimento realizado em 2016, o valor global investido desde a criação da empresa, em 2007, ascende já a mais de 115 Milhões de Euros, o que representa cerca de 88% do valor do investimento previsto até final de 2017.

Francisco Oliveira destaca que há ainda um conjunto importante de intervenções na área do saneamento para realizar, especialmente no Concelho de Torres Novas onde estão em curso investimentos superiores a 10 Milhões de Euros.

O Presidente do Conselho de Administração da AR alertou para a necessidade de alguma contenção no ritmo dos investimentos “porque os financiamentos comunitários a fundo perdido, são muito menos do que no passado, razão pela qual o ritmo e calendário de execução dos investimentos tem de ser ajustado a esta nova realidade”.

O Relatório de Gestão e Contas foi aprovado por unanimidade na quinta-feira, 30 de março.

Balonismo em Coruche - Fotos João Dinis