chamusca bibliotecatecfresh2018 slide

Categoria: Economia

abrantesTAGUScandidaturas

A Associação para o Desenvolvimento Integrado do Ribatejo Interior (TAGUS) tem cerca de 360 mil euros em incentivos para distribuir por duas ações distintas, “Pequenos Investimentos na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas” e “Cadeias Curtas e Mercados Locais”.

O período de receção de candidaturas a estes apoios do DLBC Rural, no âmbito do PDR 2020, abriu esta quarta-feira, 1 de agosto, para projetos a implementar nos concelhos de Abrantes, Constância e Sardoal, a área de intervenção da TAGUS.

Segundo uma nota de imprensa da associação, para os “Pequenos Investimentos na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas”, que encerra a 30 de Setembro, a TAGUS tem uma dotação de 102.639,02 euros para investimentos até aos 200 mil euros, que devem contribuir para o processo de modernização e capacitação das empresas deste sector.

Os financiamentos, a fundo perdido, para os pedidos de apoio, inseridos nesta medida, vão até 45% das despesas elegíveis.

“Apenas será admitida uma candidatura por beneficiário e obterá mais pontuação quem incluir no seu projeto a criação de postos de trabalho, pedidos de apoio relacionados com o olival, produtos biológicos, frutos vermelhos e hortofrutícolas, e que invistam na valorização ambiental, na eficiência energética, e inovem nas formas de comercialização”, explica a nota.

Os investimentos enquadrados nas “Cadeias Curtas e Mercados Locais” devem promover o contacto direto entre produtores e consumidores, contribuindo para o escoamento da produção local, a preservação dos produtos e especialidades locais, consumo de produtos da época, frescos e de qualidade.

As candidaturas nesta operação têm de ser submetidas até 15 de Outubro, sendo os 255 mil euros de apoios disponíveis para projectos de armazenamento, transporte e aquisição de pequenas estruturas de venda, bem como ações de sensibilização e educação de consumidores, entre outros.

Às “Cadeias Curtas e Mercados Locais” podem concorrer associações de desenvolvimento local, autarquias, organizações de agricultores ou parcerias constituídas no mínimo por três produtores, com projetos até aos 200 mil euros, que poderão contar com um apoio de 50% do investimento total elegível, não reembolsáveis.

Partida em Coruche do Grande Prémio de Ciclismo Abimota - Fotos: João Dinis