chamusca princepezinhocms banner carnaval

Economia

ranking empresas

Em 2018 foram criadas no distrito de Santarém 1.155 empresas, um aumento de 17,98% (176 empresas) em relação ao ano anterior. Os dados são da Associação Empresarial da Região de Santarém (NERSANT), e permitem concluir que 2018 foi mesmo o que mais empresas criou desde 2014, com Santarém, Ourém e Benavente a assumirem os lugares dianteiros do ranking de criação de empresas no distrito.

Santarém, com a criação de 207 sociedades, Ourém, com a criação de 167 e Benavente, com a criação de 106, continuaram, em 2018, a ser os concelhos mais empreendedores, à semelhança do que já tinha acontecido em 2017, 2016 e 2014.

O ano de 2015 foi igualmente liderado pelos concelhos de Santarém e Ourém, mas com uma pequena diferença: Benavente não assumiu o terceiro lugar, sendo, apenas neste ano, substituído pelo concelho de Torres Novas, que garante o 3.º lugar com uma diferença de 4 empresas relativamente àquele concelho da Lezíria do Tejo.

Relativamente à criação de sociedades por concelho de 2014 a 2018 – que totaliza 5.236 empresas criadas - conclui-se que quem criou mais empresas ao longo destes 4 anos foram os concelhos de Santarém (887), Ourém (656), Benavente (490).

Do lado oposto, Sardoal (28), Constância (28), e Vila Nova da Barquinha (52) foram os concelhos menos empreendedores entre 2014 e 2018.

No que diz respeito à criação de empresas por concelho, apesar de Santarém ter reforçado, em comparação com 2017, a sua liderança em 2018, ao criar 17,92% do total das empresas, seguida de Ourém, que criou 14,46% das empresas, foi de facto este último concelho que mais cresceu em termos absolutos, registando-se um crescimento de mais 45 empresas de 2017 para 2018. Almeirim (+ 54,76%) e Coruche (+46,15%) foram os concelhos que mais cresceram em 2018, em comparação com 2017.

Constância (5), Sardoal (5) e Alpiarça (9), foram em 2018, à semelhança de 2017, os concelhos onde foram criadas menos empresas. Houve ainda quem apresentasse, entre 2017 e 2018, crescimentos negativos no âmbito da criação de empresas. Foi o caso de Abrantes, Alpiarça, Chamusca, Constância, Golegã, Sardoal e Vila Nova da Barquinha.

ranking2018

obras geral

A Startup Santarém vai acolher no dia 19 de fevereiro, a partir das 16h00, uma sessão de esclarecimento sobre o IFRRU 2020, um instrumento financeiro de reabilitação e revitalização urbanas.

A iniciativa, que contará com uma apresentação de Dina Ferreira, vogal executiva da Estrutura de Gestão do IFRRU 2020 e da ARU - Área de Reabilitação Urbana da Câmara Municipal de Santarém, pretende explicar o acesso a financiamento por parte dos promotores de investimentos na área da reabilitação urbana.

Esta iniciativa tem, assim, o objetivo de contribuir para a revitalização dos centros urbanos em todo o território nacional, através da promoção da habitação, fixando a população e atraindo novos residentes, e da expansão das atividades económicas, criadoras de emprego e de riqueza.

"Dada a importância estratégica dos espaços urbanos para a coesão territorial e para a competitividade, importa apostar na qualificação urbanística e na reconversão de espaços industriais desativados, para promover a criação de novas dinâmicas de desenvolvimento que contribuam para a fixação da população e para a criação de riqueza e de emprego", explica a NERSAT, que promove esta sessão.

Estão igualmente nesta sessão para esclarecer as eventuais dúvidas dos presentes, os bancos Santander, BPI, Millennium BCP e a SPGM, entidade coordenadora do Sistema Português de Garantia Mútua.

aguas ribatejo

A empresa municipal Águas do Ribatejo (AR), responsável pelo abastecimento de água e saneamento nos concelhos de Almeirim, Alpiarça, Benavente, Chamusca, Coruche, Salvaterra de Magos e Torres Novas, prevê investir 21 milhões de euros nos próximos 3 anos.

O valor está previsto no Plano Plurianual de Investimentos da empresa aprovado pelos sete municípios acionistas, sendo que as intervenções para construção de novos equipamentos e infraestruturas serão parcialmente financiadas pelo programa europeu POSEUR Portugal 2020.

Ainda assim, segundo o presidente do Conselho de Administração da AR, Francisco Oliveira a empresa terá de suportar, quer com recursos próprios, quer com financiamento bancário, cerca de 13,4 milhões de euros.

“Não obstante tudo o que já foi feito, há ainda muito por fazer no abastecimento de água e no saneamento, em especial na construção de novas ETAR e redes”, referiu o administrador.

A Águas do Ribatejo terminou o ano de 2018 com cerca de 130 milhões de euros de obras concretizadas em 10 anos de vida da empresa.

Aumentar capacidade de armazenamento e tratamento

No mapa das obras previstas na área do abastecimento de água até 2021, o destaque para a construção de uma nova Estação de Tratamento de Água (ETA) nas Fazendas de Almeirim e para as ampliações das ETA de Almeirim e de Alpiarça.

O reservatório do Cerejal, que abastece a cidade de Torres Novas, será também ampliado e requalificado com uma profunda intervenção.

A garantia de um abastecimento seguro, com reservas para 48 horas, e com a qualidade que a AR tem garantido, vai obrigar também à construção de novas captações e à renovação de redes em diversos subsistemas com destaque para Vale Tripeiro (Benavente e Samora Correia), Santo Estêvão, Chamusca, Carregueira, Coruche, Marinhais e Riachos.

Na área do saneamento, onde já foram investidos mais de 80 milhões de Euros, a AR vai continuar a ampliar as redes e vai também construir novas ETAR requalificar alguns dos sistemas existentes.

As intervenções previstas incluem a construção das novas ETAR da Malhada Alta (Coruche) e Lamarosa (Torres Novas). Em 2019, ficarão concluídas as ETAR de Samora Correia (Benavente); Lapas/Ribeira Branca e Chancelaria/ Pedrógão, ambas em Torres Novas

O plano de intervenções prevê ainda a remodelação das ETAR de Benfica do Ribatejo, Cerrado das Águas (Benavente), Arripiado (Chamusca), Couço, Muge, Foros de Salvaterra, Glória do Ribatejo, Marinhais, Salvaterra de Magos.

Estão também planeadas obras em diversas EE Estações Elevatórias e nas redes de saneamento nos sistemas de Vale Tripeiro, Carregueira / Pinheiro Grande, Vale de Cavalos, Coruche, Marinhais, Foros de Salvaterra, Torres Novas e Riachos.

Simulacro da Proteção Civil no Entroncamento - Fotos: José Neves