chamusca appcoruche sabores-tasquinhas

Desporto

gp rio maior

A recordista mundial de 50 km marcha, Inês Henriques, e o jovem Miguel Carvalho, um riomaiorense a correr pelo Benfica, foram os melhores portugueses no 27.º Grande Prémio de Marcha de Rio Maior, que se disputou este sábado, 7 de abril.

"Sinceramente, não esperava um terceiro lugar, porque o lote de atletas era muito bom e eu só perdi com duas medalhadas, que eu acho que são de outro campeonato e não do meu. Por isso, tenho de estar muito satisfeita", disse Inês Henriques.

A corrida teve um início com um ritmo lento, o que foi benéfico para a marchadora de Rio Maior. "Inicialmente, ia muito bem, o ritmo não estava a ser muito elevado e eu deixei-me ir”.

“De vez em quando ia lá à frente porque gosto sempre de mostrar-me e estava a sentir-me bem. A parte final foi um pouco dura porque eu já não faço estes ritmos uma vez que estou a treinar para os 50 Km", explicou.

Além de ter alcançado um excelente resultado, a recordista mundial estava muito satisfeita por o ter conseguido fazer na terra onde nasceu e onde continua a viver.

"Tem um significado muito importante, porque é aqui que as pessoas me veem e sei que elas têm um carinho muito grande por mim. Já tinham anteriormente ao que eu conquistei, mas agora têm um carinho ainda mais especial, porque são as pessoas que me veem treinar todos os dias e que às vezes não percebiam o porquê de tanta dedicação. Mas, depois de eu conseguir o que consegui, já percebem o porquê de verem a Inês sempre a treinar", resumiu.

Muito satisfeito, estava também Miguel Carvalho, 12º na geral, que foi não só o melhor português em prova, como igualou o seu recorde pessoal e conseguiu os mínimos para o Campeonato da Europa.

"Estou muito feliz. A prova começou lenta e ninguém quis puxar, o que até foi bom para mim, porque ainda não sou atleta da frente. Assim, consegui fazer uma prova de trás para a frente e estou muito satisfeito porque foi a primeira vez que me senti em casa com esta forma", disse.

Natural de Rio Maior, mas a correr pelo Benfica, Miguel Carvalho assume que o apoio que recebeu foi fundamental para a sua classificação.

“Estou com uma camisola diferente, mas estou em casa. Estou na minha cidade e estou ao pé dos meus amigos e da minha família e aqui sinto-me sempre apoiado", concluiu.

 

Estrangeiros dominam

O espanhol Diego Garcia e a chinesa Shenjie Qieyang foram os vencedores desta prova a contar para o 16.º "Challenge" mundial da Federação Internacional de Atletismo.

Numa corrida que começou com chuva, mas com o tempo a melhorar progressivamente, Diego Garcia (01:21:15 horas) venceu com 45 segundos de vantagem sobre o seu compatriota Álvaro Martin (01:22:00), que bateu ao ‘sprint’, por apenas um segundo, o terceiro classificado, o mexicano José Leyver Ojeda (01:22:01).

Os três atletas fizeram parte de um grupo de seis que esteve na frente da prova até cerca dos 15 quilómetros, altura em que o primeiro era o sueco Perseus Karlstrom, que tinha o melhor tempo do ano.

Um ataque da dupla espanhola acabou com a união do grupo, com Garcia a ganhar vantagem e a terminar isolado e com boa vantagem.

Miguel Carvalho, do Benfica, foi o melhor português, terminando no 12.º lugar, com 01:23:31 horas, igualando o seu recorde pessoal e conseguindo os mínimos para o Campeonato da Europa.

No setor feminino, Shenjie Qieyang, que antes desta prova era a terceira mais rápida do ano na distância, começou a destacar-se cerca dos 12 quilómetros, terminando com o tempo de 01:28:04, menos 37 segundos que a italiana Antonella Palmisano (01:28:41), segunda classificada.

Inês Henriques, recordista mundial de 50 km marcha, foi a terceira classificada e melhor portuguesa (01:29:15), batendo Inês Cabecinha, quarta classificada, por 38 segundos (01:29:53).

A prova de juniores, na distância de 10 quilómetros, foi ganha pelos espanhóis Eloy Hornero (masculinos) e Antia Charmosa (femininos).

A 27ª edição do Grande Prémio Internacional de Rio Maior em Marcha Atlética, que volta a fazer parte do 16.º World Challenge de Marcha da Federação Internacional de Atletismo, realiza-se este sábado, 7 de abril, nas ruas centrais da cidade.

A prova promete juntar os melhores marchadores mundiais, sobretudo no setor feminino, onde estarão cinco das sete primeiras atletas dos 20 kms nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.

Vai participar um trio de marchadoras da China, onde se destacam Shenjie Qieyang e Xiuzhi Lu, ambas medalhadas em Jogos Olímpicos, além da italiana Antonella Palmisano, vencedora da Taça da Europa no ano de 2017 e medalha de bronze no Mundial de Londres e ainda da brasileira Érica de Senan que venceu este Challenge no ano passado.

À "espreita" estão as portuguesas Inês Henriques, campeã e recordista do Mundo nos 50km, e Ana Cabecinha, sempre nos primeiros lugares nas grandes competições. Para além deste lote de grandes atletas, conta-se ainda com uma forte representação espanhola liderada por Laura Garcia-Caro, medalhada na Taça da Europa.

Na competição masculina, o destaque vai para três atletas da China, o sueco Perseus Karlstrom, os espanhóis Álvaro Martin e Diego Garcia, Hassanine Sbei da Tunísia, Andrés Chocho do Equador, o italiano Francesco Fortunato, e Ever Palma que lidera um grupo de mexicanos, para além de José Bagio do Brasil e Richard Vargas da Venezuela.

As provas iniciam-se às 15h30, com a marcha jovem de promoção, estando as provas internacionais agendadas para as 17h30 e 17h42, os 20 kms femininos e 20 kms masculinos, respetivamente.

ouremcristianaduarte03

Com apenas 17 anos feitos em janeiro passado, Cristiana Duarte começa a despertar atenções no mundo do futebol feminino, onde quer vingar e sonha, um dia, “vestir a camisola da seleção nacional”.

Conhecida por “Cris”, nome que tem estampado na camisola nº 9 do Clube Atlético Ouriense, a jovem conta já com duas chamadas à seleção nacional, primeiro nos sub16 e depois nos sub17.

“Eu já estava na seleção distrital, mas não estava à espera de começar a ser chamada à seleção nacional, onde estão as melhores do país”, contou Cristiana Duarte à Rede Regional, sem esconder que traz “recordações muito especiais” destas experiências.

“O primeiro estágio foi mais difícil, porque fui sozinha e não conhecia ninguém. No segundo, integrei-me melhor no grupo e gostei mais de lá estar”, explica a jovem, que quer continuar a merecer a confiança do selecionador nacional e ser chamada para vestir a camisola das quinas.

No seu curriculum, conta já com dois jogos internacionais contra a Finlândia, numa vitória por 2-1 e num empate a três bolas, onde “Cris”, infelizmente, não conseguiu fazer nenhum golo.

A ponta de lança que joga sem se cansar

ouremcristianaduarte01Cristina Duarte ainda é juvenil de 2º ano, mas tem dado nas vistas sempre em escalões acima da sua idade.

Neste momento, costuma jogar duas vezes por fim-de-semana: aos sábados, pela equipa júnior do Ouriense, e aos domingos pelas seniores, que estão prestes a subir novamente à 1ª divisão do campeonato nacional de futebol feminino.

Dentro de campo, “gosto de ter bola e marcar golos”, afirma Cristiana Duarte, que joga habitualmente a ponta de lança ou extremo, e, esta época, pela equipa sénior, já assinou 16 golos no campeonato e sete na Taça de Portugal, competição em que é a 2ª melhor marcadora.

As juniores também estão a fazer história, pois passaram pela primeira vez à segunda fase do campeonato, e preparam-se para disputar a fase final num grupo onde estão três das melhores escolas de formação do país, o Sporting, o Estoril e o Cadima.

Cristina Duarte, que reside na Tapada, concelho de Almeirim, e estuda na EB Alexandre Herculano, em Santarém, reconhece que nem sempre é fácil conciliar a vida escolar com as deslocações para Ourém, onde joga e treina duas vezes por semana.

“Com um esforço, tudo se faz, e eu não me importo, porque o que quero mais é continuar a jogar futebol”, explica.

Uma sportinguista ferrenha que tem o futebol por paixão

ouremcristianaduarte02Foi por volta dos 12, 13 anos que a jovem começou a dar os primeiros pontapés numa bola, “com os rapazes”, no ringue de Alcanhões, vila de onde é natural.

Como cedo percebeu que tinha gosto e talento para a coisa, rumou ao União de Almeirim, o primeiro clube onde jogou como federada, ainda no escalão de infantis, numa equipa mista.

No ano seguinte, já no escalão de iniciados, ficou “sem vontade de continuar a jogar com os rapazes” e transferiu-se para Salvaterra de Magos, onde jogou ainda uma época, já numa equipa feminina.

Foi aqui que começou a dar nas vistas, e recebeu o convite do Clube Atlético Ouriense para integrar as suas fileiras no futebol de formação feminino.

Sportinguista ferrenha e admiradora de Cristiano Ronaldo, que tem por exemplo no mundo do desporto, Cristina Duarte não esconde que gostaria de receber um convite do seu clube do coração e chegar a jogadora profissional de futebol.

Cerimónia de Apresentação Santarém Cup 2018