chamusca appcoruche sabores-tasquinhas

Cultura

alpiarcalivropeniche

“Forte de Peniche, memória, resistência e Luta” é o nome do livro que vai ser apresentado na biblioteca municipal de Alpiarça no próximo sábado, 21 de abril, pelas 16 horas.

A obra, editada pela União de Resistentes Antifascistas Portugueses (URAP), tem como objetivo divulgar a história recente do Forte de Peniche como uma cadeia política e a vida dos opositores ao Estado Novo no seu interior.

A apresentação vai contar com a presença de Manuela Bernardino, dinamizadora da Comissão Nacional de Socorro aos Presos Políticos antes do 25 de Abril, da URAP e da comissão organizadora do livro, e de Álvaro Pato, um ex-preso político que saiu da cadeia após a revolução de 25 de Abril, e com longa história familiar na resistência ao fascismo.

prostituicao

“Vamos falar sobre a Prostituição” é o tema de uma palestra que se realiza esta quinta-feira, 19 de abril, no Fórum Actor Mário Viegas - Centro Cultural Regional de Santarém, a partir das 21h00.

Com entrada livre, o evento contará com a participação de Sandra Benfica, do MDM - Movimento Democrático de Mulheres, e insere-se nas comemorações do 25 de abril, em Santarém.

"A prostituição não é um acto individual de uma pessoa que aluga o seu corpo por dinheiro, é antes um sistema organizado para o lucro, um sistema intrinsecamente violento, discriminatório e profundamente desumano. Funciona como um negócio e cria um mercado. Nele as prostituídas são o elo mais fraco. Nele não há “liberdade”, “zonas seguras” ou “direitos” para elas", afirma Sandra Benfica.

Entre 2011 e 2013, a palestrante exerceu funções de coordenadora do Projeto “Tráfico de Mulheres Romper Silêncios” sobre tráfico de Seres Humanos, nas regiões de Lisboa e Algarve. Posteriormente, integrou as equipas do Projeto “Sensibilizar e Prevenir Desigualdades: Agir na Minha Escola”, com intervenção com jovens e comunidades escolares para a prevenção e sensibilização das violências contra a mulher, desenvolvido na região do Porto, e do Projeto “Viver Direitos /Vencer Violências – da escola ao espaço público”, com intervenção no combate à violência no namoro, através de um programa de sensibilização de jovens adolescentes do ensino secundário e universitário, desenvolvido em Aveiro. Representa o MDM na Rede de Apoio e Proteção às Vitimas de Tráfico.

61-abril-74

Um ano depois de “Esta é a Madrugada que eu esperava”, a Parada Chaimite, na Ex-Escola Prática de Cavalaria, em Santarém, vai receber, no dia 24 de abril, às 21h30, uma nova produção teatral que, desta vez, pretende retratar a vida dos portugueses nos 13 longos anos em que os portugueses foram sujeitos a conflitos armados e as suas famílias condicionadas à dolorosa incerteza de verem os seus filhos de volta a casa.

Chamado “61-ABRIL-74 da Guerra à Liberdade”, esta produção multidisciplinar com Teatro, Música, Dança e Poesia, conta com mais de 150 participantes de associações culturais, locais e concelhias, que unem esforços e talentos para que a noite de 24 de Abril, em Santarém, continue a ser um marco das Comemorações Nacionais da Liberdade.

O espetáculo vai ter 15 cenas que retratam vários acontecimentos históricos e sociais, do período entre o início da Guerra Colonial, em 1961, até à saída das tropas dos quartéis, na noite de 24 de abril de 1974, em particular, a coluna liderada pelo Capitão Salgueiro Maia, que partiu da Escola Prática de Cavalaria, em Santarém.

Para que não se repitam os problemas do espetáculo de 21017, em que a afluência foi muito acima do esperado, a entrada (gratuita) do público pode ser feita a partir das 20h30 e haverá mil lugares sentados. O palco vai estar num plano elevado, de modo a permitir a visualização do espetáculo por todos.

Textos de Carlos Oliveira

“61-ABRIL-74 da Guerra à Liberdade” tem textos de Carlos Oliveira (Chona), de 70 anos, reformado bancário, que sempre mostrou grande aptidão para se integrar em ações de grupo, estando ligado ao surgimebnto de 9 grupos, em várias localidades, e já tendo recebido vários prémios e distinções locais e nacionais, incluindo o Prémio “Mérito do Teatro Português”, atribuído pela Fundação Inatel; o Título de “Scalabitano Ilustre”, atribuído pela Câmara Municipal de Santarém, de “Personalidade do Ano 2004” – Homenagem da Junta de Freguesia de São Nicolau; e o “Prémio Prestígio Personalidade na Área do Teatro”, a nível nacional, atribuído pela Federação Portuguesa de Teatro.

A direção artística é de Carlos Oliveira e Tiago Fernandes, a direção de palco, está a cargo de Encarnação Noronha, ambientes sonoros, por João Silva e desenho de luz de Bruno Santos.

O espetáculo está integrado no programa das Comemorações do 25 de Abril e é coorganizado pela Câmara Municipal de Santarém e pela Comemorações Populares do 25 de Abril – Associação Cultural.

Cerimónia de Apresentação Santarém Cup 2018