chamusca apptagus

Cultura

almeirimpacorealribeiramuge

A Academia Itinerarium XIV da Ribeira de Muge, de Paço dos Negros, enviou uma carta aberta a todas as forças políticas do concelho de Almeirim que vão concorrer às próximas autárquicas de 1 de outubro, manifestado a sua apreensão “pelo estado de degradação a que chegou o Paço Real da Ribeira de Muge, propriedade do município”.

Nesta carta, a Academia pede aos partidos políticos que tenham esta questão em consideração aquando da elaboração dos programas eleitorais, e manifesta-se disponível para acompanhar todos os candidatos numa visita ao local, “de forma a que possam tomar conhecimento das fragilidades que apresenta”.

“Tendo em conta que se aproxima o ato eleitoral em que se elegerão os novos órgãos autárquicos, vimos por este meio apelar a que os programas eleitorais que irão ser apresentados para escrutínio das populações contemplem esta questão”, lê-se na missiva, onde a Academia pede “medidas concretas, que conservem o espaço e permitam que no futuro, mais ou menos próximo, seja possível dignificá-lo da forma que ele merece”.

Localizado em Paço dos Negros, o Paço Real da Ribeira de Muge é o último vestígio edificado que nos resta do Almeirim do século XVI, quando o espaço se assumia como um dos principais lugares onde a corte gostava de estanciar, devido ao seu clima e condições para atividades recreativas, nomeadamente a caça.

tomarfestivalbonssonsbalanco

O festival Bons Sons, que terminou esta segunda-feira, 14 de agosto, levou cerca de 32.500 visitantes à pequena aldeia de Cem Soldos, no concelho de Tomar.

Os números são da organização do festival, que acrescenta que se realizaram 41 concertos nos vários palcos do recinto, que é a própria aldeia, a que se somam mais 15 concertos espontâneos no Palco Garagem.

Dedicado em exclusivo à música portuguesa, o Bons Sons teve 181 artistas em palco, a que se soma o “Auditório”, com uma programação que envolveu três espetáculos de artes performativas, duas sessões de curtas-metragens e um projeto para um filme, e o “Armazém”, que teve oito sessões de música para bebés.

“A ligação forte do festival com os habitantes, nesta edição, foi o mote de uma série de iniciativas como os 44 vídeos de apresentação individual dos artistas, os seis pequenos espetáculos instantâneos “Agora, Aqui!” a partir das janelas dos moradores, as visitas-guiadas dos miúdos da aldeia e o saco de boas-vindas dos artistas personalizado pelas famílias cem-soldenses”, explica um comunicado da organização, que acrescenta que o Bons Sons contou com 350 voluntários para a sua concretização.

“A ambição do Bons Sons era tornar-se um festival mais ecológico e familiar onde todos conseguissem ser parte da aldeia de forma sustentável. Estamos de coração cheio por ter conseguido”, acrescenta o mesmo comunicado, onde se lê que “o sucesso das atividades paralelas, pensadas para toda a família, ficou patente na adesão do público que esgotou as vagas, mesmo depois de se abrirem algumas sessões extraordinárias”.

santaremcustodiocastelo

Custódio Castelo, um dos mais talentosos intérpretes da guitarra portuguesa no mundo, vai dar um concerto na Praça Sá da Bandeira (mais conhecida por Largo do Seminário), em Santarém, na próxima sexta-feira, 18 de agosto, às 21h45.

O espetáculo está inserido na programação oficial do “Verão In.Str” e as entradas são livres.

Nascido em Almeirim em 1966, Custódio Castelo tem-se afirmado não só como um músico de excelência, mas também como compositor e produtor, tendo já trabalhado com Jorge Fernando, Nuno da Câmara Pereira, Misia, Camané, Carlos do Carmo, Maria Bethânia e Ana Moura, só para citar alguns dos nomes mais conhecidos ligados ao fado e à música portuguesa.

Neste concerto, Custódio Castelo regressa ao local onde, em agosto do ano passado, apresentou o seu último álbum a solo, “Maturus”, que assinalou os 25 anos de carreira do autor, e completou a trilogia iniciada com “Tempus”, a que se seguiu “In Ventus”.

XTerra Golegã - Fotos Carlos Simões