chamusca bibliotecatecfresh2018 slide

Categoria: Cultura

 carta gastronomica armando ceia

557 receitas, recolhidas em mais de 180 entrevistas junto de outras tantas pessoas, na sua maioria idosas, compõem a “Carta Gastronómica do Ribatejo - Terras da Lezíria”, cujo original foi simbolicamente entregue esta quinta-feira, 7 de junho, ao presidente da Entidade Regional de Turismo do Alentejo e Ribatejo (ERTAR), que vai agora editar a obra em papel e em formato digital.

Fruto de um trabalho de investigação e recolha feito ao longo dos últimos 31 meses pela Confraria Gastronómica do Ribatejo, sob coordenação de Armando Fernandes, a carta é apresentada como “mais que um simples livro de receitas, um tratado da gastronomia da Lezíria.

“Foi um trabalho de recolha de informação boca a boca, orelha a orelha” explicou Armando Fernandes, revelando que muitos dos relatos foram feitos por pessoas de idade avançada, alguns até já acamados.

“Não há uma única receita que não nos tenha sido dita pela própria pessoa”, garante o coordenado da obra, assumidamente feita com base nas “práticas de vida” das comunidades mais pobres, embora haja também receitas que eram habitualmente servidas nas casas mais abonadas.

“Um documento que é uma memória viva”, reforça o presidente da ERTAR, Ceia da Silva, organismo que lançou o projeto, em colaboração com a Câmara de Santarém e Comunidade Intermunicipal da Lezíria do Tejo (CIMLT).

Ceia da Silva comprometeu-se a ter a obra pronta, em papel e formato digital, para ser apresentada durante o próximo Festival Nacional de Gastronomia, que se deverá realizar no final de Outubro, em Santarém.

Observatório e um novo festival

carta gastronomia todosDurante a cerimónia de entrega da Carta Gastronómica do Ribatejo, Armando Fernandes lançou um desafio ao presidente da Câmara de Santarém, Ricardo Gonçalves, para que a cidade, além do Festival Nacional de Gastronomia, avance para a construção do Observatório Nacional de Gastronomia e lance também um Festival Nacional dos Comeres Populares.

O autarca não se comprometeu com nenhum dos projetos mas salientou a importância que a gastronomia tem para o concelho e para Portugal, sendo uma das três razões que deixa os turistas mais satisfeitos com o nosso país.

Sobre a carta gastronómica, Ricardo Gonçalves lembrou que “era algo que já se ouvia falar há muito tempo” mas que só agora se conseguiu “perpetuar coisas que se iriam perder”.

Já o presidente da CIMLT, Pedro Ribeiro, destacou a complementaridade do trabalho feito pelas várias entidades e pelos municípios, que será muito importante para toda a região.

Partida em Coruche do Grande Prémio de Ciclismo Abimota - Fotos: João Dinis