banner chamusca meninabambu

Cultura

barquinhaigrejaaalaia

Os municípios da Barquinha, Tomar e Ferreira do Zêzere vão assinar um protocolo com a Entidade Regional de Turismo do Centro de Portugal para a sinalização do Caminho de Santiago nestes concelhos do Médio Tejo, que têm registado um aumento anual de peregrinos.

A cerimónia, que se realiza no próximo dia 30 de janeiro, às 11 horas, na Igreja Matriz de Atalaia, da Barquinha, “ficará marcada pela apresentação da marcação do caminho e dos azulejos e setas com o símbolo (concha), com que as autarquias pretendem sinalizar esta rota dentro da área geográfica de cada concelho”, explica uma nota de imprensa da Câmara da Barquinha.

A sinalética, segundo a mesma nota, será uniforme “com o objetivo de colmatar a ausência de informações ou sinalização, bem como apoiar os peregrinos, facilitando a sua orientação, deslocação e comodidade”.

No concelho da Barquinha, além dos azulejos colocados em marcos, será também colocada ao longo de todo o percurso outra sinalética em painéis informativos, desde o Pedregoso, no início do Caminho, até à ribeira de Tancos, junto ao Ecocentro, no limite do norte do concelho.

O percurso integra a antiga Estrada Real Lisboa-Porto, que conduz os peregrinos da Quinta da Cardiga ao Pedregoso.

salvaterrafalcoariavissitantes

O número de visitantes à Falcoaria Real de Salvaterra de Magos aumentou mais de 250% nos últimos três anos, passando de 3.021 pessoas em 2013, para 8.091 no final de 2016, considerando as visitas de grupo, em família ou a título individual.

Os dados foram divulgados pela Câmara Municipal de Salvaterra de Magos, para quem este crescimento se deve ao facto do edifício ter passado a estar aberto ao público aos fins-de-semana, às estratégias de promoção da oferta turística do concelho, e à elevação da falcoaria a património cultural imaterial da humanidade, declarada a 1 de dezembro do ano transato.

“No mês de dezembro de 2016, os visitantes mais do que decuplicaram em relação ao mês homólogo de 2012”, explica uma nota da autarquia.

Atualmente, a Falcoaria Real recebe diariamente visitantes que podem conhecer pormenores sobre a construção do edifício e a fixação da família real em Salvaterra, e que podem, ao mesmo tempo e com o acompanhamento de um falcoeiro, tomar contato com as cerca de 25 aves de presa que vivem permanentemente edifício.

O município, segundo a mesma nota, “pretende que Salvaterra seja um local assíduo para todos os falcoeiros e novos praticantes, para quem queira aprender mais sobre esta prática e para quem tencione estudar e aprofundar conhecimentos sobre a temática, assumindo-se cada vez mais como Capital Nacional da Falcoaria, marca que este executivo registou em 2014”.

chamuscacicloculturalannefrank

O centro regional de artesanato da Chamusca encheu na passada sexta-feira, 13 de janeiro, para assistir ao primeiro espetáculo do “INquieto”, o novo ciclo cultural que promete teatro de qualidade na vila ribatejana.

“Minha Querida Anne Frank”, baseado no imortal “Diário de Anne Frank”, foi a primeira proposta encenada pela Companhia de Teatro do Ribatejo (CTR), que trocou o tradicional palco por uma “mise en scène” original, recriando parte de um campo de concentração nazi no centro do espaço, com o público em redor.

Depois de inquietar com uma abordagem ao nazismo, período negro da história da humanidade, seguem-se novos temas desafiantes a partir de textos de Nicolai Gogol, Alves Redol, Fernando Pessoa e José Saramago, com uma peça baseada no “Ensaio Sobre a Cegueira” já no próximo dia 27 de janeiro, à mesma hora e no mesmo local.

“Depois de dois ciclos em que demos destaque a autores do concelho, queremos agora abrir esta iniciativa a grandes autores da literatura”, explicou à Rede Regional o presidente da Câmara da Chamusca, Paulo Queimado.

“Faz parte da nossa intenção não só diversificar a oferta, pois só assim conseguimos chamar novos públicos”, explica o autarca, que chama a atenção para o facto dos espetáculos deste novo ciclo serem apresentado em palco originais e serem encenados de forma a fomentar a interatividade com o público.

“O importante é criar a habituação de tirar as pessoas de casa”, acrescentou ainda Paulo Queimado.

Sobre a oferta cultural na vila, a Câmara prepara-se para lançar em breve um novo ciclo dedicado à música, e que servirá também para assinalar as obras de requalificação do cineteatro da Chamusca, que vai acolher os concertos.

Desert Challenge 2017